(32) 3061-1694

A pandemia do novo coronavírus, principalmente por causa de algumas medidas necessárias para conter a disseminação da doença, como a quarentena e o fechamento do comércio, traz desafios enormes para a gestão financeira em casa ou nos negócios. E se você não tem reserva de emergência, nem costuma cuidar das finanças com atenção, pode estar enfrentando problemas muito maiores neste momento.

Embora difícil, esta pode ser a hora de começar a estudar e a aplicar conceitos de educação financeira tanto para passar pela quarentena sem entrar no vermelho, como também para estar preparado diante de outros imprevistos no futuro. O equilíbrio entre ganhos e gastos ainda pode ser uma forma de cuidar da sua saúde mental, já que as dívidas e a falta de dinheiro tiram o sono de qualquer um. 

Como em outros setores, o planejamento é uma das ferramentas essenciais da gestão financeira. Por isso, montar um plano de gastos é indispensável para organizar o seu dinheiro e quitar as dívidas, quando houver. Para isso, porém, o primeiro passo é saber cada centavo que entra e sai do seu orçamento. Definir metas, economizar onde for possível e renegociar também são algumas ações importantes rumo à organização financeira. 

Quer saber mais? Confira essas e outras dicas de educação financeira para colocar em prática durante a quarentena:

1. Liste o que ganha 

Qual o total dos seus ganhos mensais? Coloque no papel ou na planilha online o valor real, ainda que você seja contratado na categoria CLT, com carteira de trabalho assinada e um salário fixo por mês. Muitas vezes, alguns descontos acontecem e passam despercebidos por serem muito baixos. Mas, de pouquinho em pouquinho, eles podem fazer a diferença no seu orçamento.

Se você acredita, por exemplo, que está ganhando R$ 500 por semana, mas na verdade esse valor é de R$ 480. São altas as chances de continuar gastando integralmente o valor semanal, sem perceber que está extrapolando R$ 20 do orçamento a cada 7 dias. 

No caso dos autônomos ou prestadores de serviços, que têm uma renda variável todo mês, de acordo com a quantidade de trabalhos realizados, o acompanhamento dos ganhos deve ser ainda mais disciplinado. É preciso anotar cada um dos valores que entram e também as despesas. Caso seja possível, o melhor é estimar uma renda mensal mínima que teve nos últimos meses e usá-la como projeção para dividir os gastos futuros. 

Quem é dono do próprio negócio pode levantar o valor total do chamado pró-labore, que é a fatia do faturamento da empresa usada como remuneração pelo trabalho realizado. Neste caso, a definição de uma quantia passa a ser indispensável como maneira de não misturar o dinheiro do negócio com o dinheiro pessoal. Ou seja, o salário do empreendedor também deve entrar na conta de gastos fixos de uma pequena empresa.

2. Anote todos os gastos

O segundo passo para começar uma boa organização financeira durante a pandemia do novo coronavírus é listar absolutamente todos os seus gastos. Para finanças pessoais, vale acompanhar até mesmos os poucos reais do cafezinho. Em meio à quarentena, porém, esses pequenos custos devem diminuir, já que muitas pessoas estão em casa e alguns comércios tiveram que fechar as portas para o atendimento presencial.

De qualquer forma, é preciso ficar atento às compras online e pedidos de delivery. Em casa, muitas vezes, é fácil cair na tentação e na praticidade de usar aplicativos sem realmente acompanhar os gastos que, mesmo pequenos, podem somar uma boa quantia de dinheiro no final do mês ou uma bela surpresa na fatura do cartão de crédito. 

Para quem tem um negócio, a rotina de anotar tudo que entra e sai já deve estar em prática com o chamado fluxo de caixa. Ele é indispensável para que a empresa tenha uma boa gestão financeira, e seus registros devem ter o máximo de detalhes, como descrição, data e motivo do gasto.

3. Saiba o valor real das dívidas

Com os ganhos e os gastos em mãos, o próximo passo para começar a montar um planejamento financeiro é listar as dívidas. Caso você tenha qualquer débito aberto, este é o momento de também colocá-lo na ponta do lápis, contabilizar o total e o tempo restante de pagamento, em caso de parcelamentos. É importante procurar o valor atualizado, já que, quando muito antigas, elas podem ter sofrido alterações nos números.

As dívidas devem entrar na lista de gastos e precisam estar entre as prioridades de pagamento para que não sejam cobrados juros e multas por atraso – o que pode fazer o total do débito dobrar de tamanho. Depois de saber o quanto você deve, será mais fácil renegociar prazos e valores quando necessário, como veremos mais adiante. 

Tanto nas finanças pessoais quanto em empresas, as dívidas podem levar uma fatia considerável dos rendimentos caso sejam ignoradas e acumuladas. Para os donos do próprio negócio, elas ainda podem levar ao fechamento do empreendimento. Por isso é importante organizar as finanças também para conseguir quitar dívidas abertas.

4. Estabeleça metas

Organizar a vida financeira pessoal ou dos negócios é uma forma de conquistar seus objetivos. Sem acompanhar a entrada e a saída do seu dinheiro ou do dinheiro da sua empresa, você pode não apenas perder oportunidades como também não conseguir alcançar metas e planos que traçou. 

Por isso, tenha em mente quais são as suas metas que podem ser concretizadas com a organização financeira. Você está buscando juntar dinheiro apenas para ter uma poupança ou uma reserva de emergências? Ou quer fazer uma grande viagem? Pensa em comprar uma casa para sair do aluguel ou até mesmo investir em um novo negócio? 

Você também pode começar a organizar o seu dinheiro para quitar dívidas de forma mais rápida ou comprar novos equipamentos para a sua empresa, por exemplo. Independentemente dos objetivos, é necessário ter boas motivações e disciplina no controle dos gastos para que eles sejam atingidos. Lembre-se: as metas podem impulsionar o seu negócio, assim como as suas conquistas pessoais!

5. Monte um orçamento

Agora que você já sabe quanto ganha, quanto gasta, quanto deve e quais são as suas metas, é possível começar a montar um bom planejamento financeiro. O orçamento pessoal, familiar vai te ajudar a conseguir pagar todas as contas no prazo e também a economizar dinheiro – ou pelo menos entender onde é possível cortar gastos para começar a poupar. Ao saber quanto você pode gastar e ser rigoroso em manter esse compromisso de não extrapolar o limite, será muito mais difícil entrar no vermelho.

A tecnologia também pode ser uma aliada da organização neste momento. Pesquise ferramentas como aplicativos de controle de finanças e use o celular para atualizar de forma rápida todas as suas movimentações financeiras pessoais. As tabelas como as oferecidas gratuitamente para quem tem uma conta no Google, com o Google Spreadsheet e o Excel, da Microsoft, também são muito úteis para manter a organização. 

Para quem tem uma empresa, o planejamento financeiro reúne a atual situação do caixa, com projeções de entradas e saídas de dinheiro. Com as informações sobre a quantidade disponível em caixa, é possível direcionar o uso de cada parcela da receita futura com decisões mais acertadas. Em ambos os casos, porém, é indispensável encaixar os gastos dentro dos ganhos, sem extrapolar. Isso porque, gastar mais do que ganha é a receita certeira para cair no vermelho e se endividar! 

6. Renegocie o que deve

Com o seu planejamento financeiro em mãos, provavelmente você já sabe quanto poderá tirar do bolso por mês para pagar dívidas sem piorar a sua situação financeira. Se depois de montar o orçamento você perceber que será necessário renegociar alguns débitos para conseguir arcar com os compromissos, não tenha medo e tente conversar com o seu credor, seja ele uma pessoa física, uma empresa fornecedora ou banco e instituições de crédito. 

Renegociar dívidas é uma prática comum e bem aceita, já que muitas vezes a pessoa que precisa receber também prefere ter a certeza de que o dinheiro chegará sem atrasos. Seja franco e explique sua situação financeira e a intenção de quitar a dívida. 

Além disso, a pandemia do novo coronavírus também trouxe novas possibilidades de negociação de dívidas, já que a situação é global e a maioria das pessoas pode ser atingida de alguma maneira pela crise financeira gerada. Sem receita por falta de vendas, os pequenos empreendedores podem aproveitar cada desconto possível em obrigações mensais como aluguel e impostos. 

7. Veja onde pode economizar

Com o levantamento de todos os seus ganhos e gastos mensais, você também poderá analisar se é possível economizar em alguns momentos para conseguir fazer com que sobre algum dinheiro no final do mês. Sabemos que nem sempre é possível guardar qualquer quantia – e esse desafio pode ser ainda maior em meio à pandemia do novo coronavírus, que trouxe muita incerteza para trabalhadores autônomos, donos de negócio e até pessoas contratadas com carteira assinada. 

Mas, ainda assim, esse é um passo importante a ser dado – quando possível – por quem quer organizar a vida financeira. Se você ainda não guarda dinheiro porque não consegue separar uma quantia considerável, saiba que, para começar, qualquer valor é válido. Com o tempo, além de mudanças no seu orçamento, que poderão permitir uma economia maior, você também já terá começado um novo hábito de poupar.

A pandemia de coronavírus, para aqueles que podem ficar em casa de quarentena, também deve acabar aumentando os gastos fixos com a casa, como a necessidade de comprar mais alimentos e com maior frequência, e o aumento nas contas mensais, como a luz, o gás e a água. Portanto, lembre-se que todas essas mudanças devem ser consideradas na hora de traçar as suas metas e orçamentos. 

Para os pais com crianças em casa, vale ficar de olho nas possibilidades de intercalar brincadeiras que não precisem de energia elétrica. Por fim, pesquise e pechinche sempre que precisar comprar algo, ainda que seja pela internet. As compras online podem aumentar os seus gastos de forma silenciosa por causa da praticidade de pedir delivery, por exemplo. 

Por outro lado, os gastos rotineiros também não serão os mesmos para quem está trabalhando de casa. O dinheiro que ia para lazer, por exemplo, poderá ser consideravelmente menor, já que lugares como cinema, museus, baladas e bares estão fechados para o público e aglomerações. Será possível direcionar essas quantias para as suas economias mensais?

8. Lembre-se da reserva de emergência

Situações como a pandemia que estamos vivendo pegam muitas pessoas de surpresa. Quando a quarentena começou, você se sentiu seguro financeiramente ou o momento foi desesperador? A organização financeira também tem como objetivo preparar o bolso ou caixa de uma empresa para os imprevistos que, assim como a própria palavra diz, acontecem quando menos esperamos. 

Para os negócios, as chamadas reservas de emergências são quantias de dinheiro guardadas que podem gerar uma segurança maior de que a empresa não precisará fechar em um momento de aperto. A ideia é usar o valor para conseguir manter o pagamento de funcionários e dos custos e despesas da operação, ainda que as vendas caiam.

Pessoalmente, guardar dinheiro não apenas para concretizar planos, mas também para enfrentar emergências é essencial para não ser pego de surpresa em momentos como uma demissão inesperada ou até mesmo a impossibilidade de trabalhar por qualquer acidente ou doença. 

O ideal, portanto, é começar a poupar primeiro com o objetivo de montar a reserva de emergência, seja pessoal ou de negócio. Faça as contas de quanto você precisaria para se manter ou continuar com a empresa funcionando por cerca de três meses sem a entrada de nenhum dinheiro. Esse total pode ser considerado uma boa reserva. 

9. Acompanhe especialistas no Youtube

Educação financeira é um assunto de amplo interesse. Não importa se você é um estudante, trabalhador formal ou dono do próprio negócio, em algum momento o tema pode despertar a sua curiosidade ou se tornar necessário no dia a dia. Por isso, muitos especialistas produzem conteúdo gratuito na internet para quem deseja aprender mais sobre como organizar o próprio dinheiro ou o caixa da empresa.

Uma forma de acompanhar esse conteúdo é seguir alguns canais no Youtube que ensinam sobre gestão financeira. A jornalista Nathalia Arcuri, do Me Poupe!, e o especialista em gestão financeira Gustavo Cerbasi são alguns que disponibilizam vídeos pelo menos duas vezes por semana com dicas sobre como organizar dinheiro, economizar, investir ou sair das dívidas. Aproveite que está começando a organizar as finanças para seguí-los!

10. Faça um plano de estudos

Por último, além de aplicar as dicas na prática, você também pode buscar mais conhecimento teórico. Não é preciso ter o sonho de ficar rico para começar a estudar gestão financeira. Também não é preciso desembolsar muito dinheiro para começar os estudos. Isso porque, existem muitos cursos online gratuitos para quem quer começar a organizar as finanças. 

Caso você tenha a oportunidade e o tempo, aproveite a quarentena para planejar novos estudos na área. Tenha certeza de que o conteúdo poderá ser muito bem aproveitado agora e também no futuro, quando a pandemia passar. O conhecimento conceitual e a teoria podem ajudar muito em momentos de crise como os que estamos vivendo. 

O Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas), uma das instituições mais conceituadas para quem é dono do próprio negócio, tem uma série de aulas online e gratuitas para você começar a estudar em casa. O curso de Gestão Financeira é um dos exemplos e tem três horas de duração. Ele é direcionado aos empreendedores que buscam entender a importância do tema para as empresas, além de explorar conceitos como fluxo e giro de caixa, e controle e análise de estoque.

Durante a pandemia, a FGV (Fundação Getúlio Vargas) também divulgou uma lista de cursos gratuitos para estudar de casa. Entre eles, é direcionado para as finanças pessoais o Como organizar o orçamento familiar, com o professor da instituição, Fabio Gallo Garcia. Já o curso Fundamentos de Administração Financeira pode ser bem aproveitado por gestores que buscam melhorar a organização das finanças no negócio.

Fonte: https://www.donodonegocio.com.br/cresca-mais/dicas-de-educacao-financeira/

Comentários

comentários

Share This