(32) 3061-1694

Você sabe como o seu site tem aparecido para o Google?

O Google Search Console pode lhe fornecer um painel com informações valiosas para entender melhor o desempenho do seu site dentro do buscador mais relevante da Internet.

É indiscutível que o Google é a principal ferramenta de Marketing Digital. Se você tem alguma dúvida disso, com certeza, o seu site não tem o desempenho que você gostaria. E está longe de alcançar o potencial máximo.

Se você é um empreendedor antenado, e eu tenho certeza que sim, veja o meu post 9 Ferramentas Gratuitas de Marketing para Superar Seus Concorrentes.

Devido ao grande fluxo de novas informações, técnicas e conteúdos o marketing digital vive em transição, e otimizar o seu site é uma tarefa que demanda muito estudo e aprofundamento.

Esse empenho deve ser a longo prazo e você deve usar todas as ferramentas que puder.

Se você já me acompanha há algum tempo, deve ter notado que sempre há algo novo a aprender e desenvolver para criar estratégias de marketing. Mas como saber se o Google tem visto o seu site como um bom conteúdo, imagens e vídeos adequados?

E, principalmente, se ele realmente tem conseguido acessar suas páginas para fazer a indexação corretamente.

Bom, neste artigo eu quero lhe mostrar que existem muitas ferramentas dentro do Google Search Console que podem lhe mostrar isso. E, inclusive, sinalizar o que tem de errado com a sua URL, o carregamento de arquivos e dados.

E muitas falhas que você pode nem ter percebido que o seu website possui.

Quer aprender tudo o que você precisa saber sobre essa ferramenta de otimização?

Tenho certeza que sim. Então vamos lá?

Boa Leitura!

O Que é o Google Search Console?

https://www.youtube.com/watch?v=SoxU5kz15Kc#action=share

O Google Search Console é uma ferramenta disponibilizada gratuitamente pelo Google que tem como principais funções monitorar e otimizar o seu site para os buscadores. Ele fornece a visão que o próprio Google tem em relação ao que você está produzindo.

Possíveis erros e falhas serão visualizados mais facilmente se você inserir essa ferramenta de avaliação no seu site. Eu costumo falar sempre sobre Inbound Marketing, e o quanto essa estratégia pode melhor o seu ranqueamento dentro dos resultados do Google.

Mas qual o termômetro para verificar se os seus resultados são os melhores que o seu site tem capacidade de atingir?

O Google Search Console pode lhe fornecer esses dados. Mas você deve estar se perguntando: Eu realmente preciso disso para estar entre os primeiros resultados?

Devo ser sincero: não, você não precisa.

Existem muitas técnicas de SEO e otimização que podem cooperar para que o seu site consiga atingir às primeiras colocações. Mas eu sempre aconselho os meus clientes que eles tentem atingir o melhor que podem.

E a função dessa ferramenta é exatamente essa. Através da análise de resultados do Google Search Console você pode compreender porque o seu site está em quinto lugar e não em primeiro, por exemplo.

Para facilitar a compreensão do que realmente é o Google Search Console, vamos às suas principais funcionalidades:

  • Enviar novos conteúdos para rastreamento
  • Remover conteúdos que você não gostaria que fossem exibidos nos resultados de pesquisa
  • Verificar se o Google, realmente, tem acesso ao seu conteúdo
  • Monitorar o desempenho do seu site no Google
  • Visualizar a origem dos seus cliques
  • Quais sites têm vínculos diretos com o seu
  • Quais informações ganham visibilidade no buscador, preços, informações do produto e contato da empresa
  • Desempenho do site em dispositivos móveis
  • Otimizar e descobrir quais conteúdos são mais atrativos
  • Evitar e monitorar erros, tais como: interrupções, erros de carregamento e de servidor, invasões
  • Tomar decisões e criar estratégias de forma mais eficiente
  • Monitorar o tráfego
  • Maximizar a eficiência de outras ferramentas, tais como: Google Analytics, o Google Trends e o Google AdWords
  • Verificar o status de indexação
  • Visualizar estatísticas sobre quando o Googlebot acessa um site específico
  • Notificação de determinadas penalidades
  • Adicionar e remover proprietários
  • Relatórios precisos e individuais
  • E diversas outras

Para quem é útil essa ferramenta?

Bom, eu posso dizer, com toda certeza, que essa ferramenta é fundamental para todas as pessoas que possuem um site e querem otimizá-lo, mas quero mostrar, mais especificamente, algumas áreas que têm conseguido melhorar seu desempenho:

  • Usuários e proprietários sem conhecimentos específicos
  • Especialistas de TI, Marketing e Vendas
  • Empresários e empreendedores que terceirizam a monitoração dos seus sites
  • Webmasters
  • Profissionais especializados em SEO
  • Desenvolvedores Web e de aplicativos
  • Administrador de sites

História do Google Search Console e Webmaster Tools

Talvez você esteja pensando: o Google já trabalhava com uma ferramenta parecida com essa, não?

Sim, a primeira versão dessa ferramenta foi apresentada em 2005 com o nome de Google Sitemaps. E eu posso dizer que esta primeira versão era mais útil para o próprio Google do que para os webmasters.

O objetivo inicial era construir um mapeamento de novas páginas, atualizações e aumentar o poder de alcance dos indexadores. Dessa forma, o Google poderia fornecer mais resultados e ranquear os conteúdos de uma forma mais abrangente e eficiente.

O termo Google Sitemaps transformou-se em Google Webmaster Tools, em 2006. Esse, muito provavelmente, é o termo que grande parte das pessoas tem maior familiaridade. Afinal, esta ferramenta só recebeu outro nome em 2015.

O Google renomeou a ferramenta em 20 de maio de 2015, que passou a se chamar Google Search Console. A intenção era que o usuário entendesse, logo pelo nome, que aquela ferramenta era para ele.

Os objetivos, então, passaram a ser nortear os webmasters na indexação e otimização dos seus blogs e sites. Novas ferramentas foram agregadas para que esses objetivos fossem atingidos, como, por exemplo, diagnósticos de problemas em tempo real.

E, claro, todas as demais funcionalidades citadas no tópico anterior.

No começo de 2018, o Google fez algumas melhorias e atualizou sua interface. O Google Search Console Beta é, portanto, a última versão da ferramenta Google Search Console, pelo menos por enquanto.

Como Funciona o Google Search Console

Assim como a maioria das ferramentas do Google, o Search Console tem uma interface bastante didática e intuitiva.

Isso não quer dizer que trabalhar com a ferramenta seja algo simples. Muito pelo contrário, analisar dados e fazer correções é sempre um trabalho complexo. Mas cada aba está repletas de manuaisd e uso fornecidos pelo Google.

O que pode facilitar muito a vida de quem não é profissional nesse mercado.

Para utilizar essa ferramenta é preciso ter um email Gmail válido. O próximo passo é acessar o endereço do Google Search Console, digite o nome no buscador e o primeiro resultado lhe encaminhará para a seguinte página:

Faça o login com o seu email e senha e clique em ‘Adicione uma Propriedade”, conforme figura abaixo.

Insira a URL do seu site, ou aplicativo, no espaço demarcado, automaticamente o Google lhe enviará instruções para os próximos passo.

#1 Menu Principal

O Menu Principal é bastante prático. No centro da página você vai ter elencados todos os sites cadastrados. Uma dica essencial é que você insira diferentes formatos do mesmo site, por exemplo, inserir a opção com www e sem.

Exemplo:

  • www.meusite.com.br;
  • https://www.meusite.com.br;
  • https://meusite.com.br

Isso vai minimizar falhas de indexação devido a variação de endereço. É muito comum que alguns usuários digitem a URL de formas variadas, ao fornecer para o Google algumas alterações possíveis ele vai entender que trata-se do mesmo site.

Você pode fazer isso criando um a um, mas deixando-os separados no menu, ou agregá-los para que os resultados sejam unificados.

Para agregar mais de um formato, você deve clicar na aba “Crie um Conjunto”, localizada ao lado do ‘Adicione uma Propriedade”.

Existe a possibilidade de você escolher um principal, eu sugiro que você selecione o mais completo. Exemplo: https://www.meusite.com.br.

Logo abaixo destes dois itens você encontrará a aba “Gerenciar Propriedade”, ao clicar duas ações vão surgir: Adicionar ou remover usuários e Excluir propriedade.

Você pode, então, adicionar colaboradores que terão acesso visual aos dados e podem realizar algumas ações básicas. É possível, também, adicionar usuários restritos, que podem apenas visualizar dados e removê-los quando quiser.

Se você inseriu uma propriedade de forma equivocada ou até mesmo quer excluir o seu site, basta clicar em ‘Excluir propriedade’.

Na lateral esquerda da sua tela você tem as seguintes abas:

  • Painel do site
  • Mensagens e
  • Aspectos da Pesquisa, ou Search Appearance.

Vamos analisar um a um para que você possa se familiarizar com os termos e abas dessa ferramenta.

#2 Painel do Site

No painel do site, você vai encontrar algumas informações sobre o seu site, como erros de rastreamento, Search Analytics e Sitemaps.

Em erros de rastreamento o Google vai sinalizar todos os erros elencados, para que, dessa forma, você possa solucioná-los o mais rapidamente possível.

O item Search Analytics funciona de uma maneira bastante parecida com o Google Analytics.

Ele lhe fornecerá informações relevantes sobre o tráfego do seu site. Como:

  • Cliques por consultas, páginas, países, dispositivos, tipos de pesquisa e data
  • Impressões por consultas, páginas, países, dispositivos, tipos de pesquisa e data
  • CTR por consultas, páginas, países, dispositivos, tipos de pesquisa e data
  • Posição por consultas, páginas, países, dispositivos, tipos de pesquisa e data

De imediato essas informações estarão zeradas, afinal é necessário algum tempo de avaliação para que o monitoramento gere resultados.

#3 Mensagens do Site

Essa aba é o meio de comunicação entre você e a ferramenta Google Search Console. Ela funciona como se fosse a sua caixa de emails, mas os assuntos são exclusivamente sobre os seus sites.

O programa pode sinalizar alterações feitas pelo próprio Google, como atualizações ou alertas, por exemplo.

Assim como toda mudança que você fizer no Search Console, como inserir ferramentas de otimização no seu site ou remover algum erro.

Já que toquei no assunto erros, aqui, nesta aba “mensagens” você receberá também alguns alertas importantes.

Para que você fique atualizado e por dentro das principais falhas e oportunidades é interessante que consulte essa aba da mesma forma que você faz com sua caixa de entrada de emails.

#4 Search Appearance

Esta é a aba com mais informações no menu principal, ela mostra ao usuário como o Google está visualizando seus títulos, descrições, imagens e cada item das páginas do seu site. Esta é uma aba direcionada para o seu público.

Por exemplo, será que o seu título tem o melhor desempenho possível? As pessoas têm se interessado pelo seu snippet?

Neta aba você vai encontrar essas e demais questões relacionadas a aparência que o seu site tem nos buscadores.

O Google disponibiliza um ícone para que você possa entender cada setor da sua aparência. Ao final do termo “Search apperance”, ou “Aspecto da pesquisa”, tem um ícone com a letra i em minúsculo.

Ao clicar nele você vai ter a seguinte visão:

Você vai visualizar cada um dos itens de forma sinalizada e nomeada, como título, snippet, URL e etc. Ao clicar em cada um deles você terá indicações e sugestões de como otimizá-los.

Fique atento às essas dicas, afinal, se um buscador sugere algo, com certeza, isso contará no ranqueamento de resultados, certo?

Quero falar sobre cada um deles para que você entenda realmente do que estou falando. E lembre-se, caso apareça alguma dúvida deixe nos comentários abaixo, certo?

Título

O título é o nome que você dá para cada página ou post, na imagem ele aparece em um fonte maior que os demais itens, da mesma maneira que aparece nos buscadores.

O Search Console sugere que você utilize títulos descritivos, criativos e coerentes com o conteúdo de cada página. Eu sugiro que você leia o meu post Como Escrever Títulos de Blog Incríveis: O Guia Completo, com dicas arrasadoras.

URL

A URL da sua página aparece logo abaixo do título, na imagem é o item em verde. A sugestão do Google é que você mantenha a URL curta, simples, legível e coerente com o conteúdo da página ou post.

Escrevi um post sobre URL: Guia Completo Como Utilizar o SEO Para Criar Uma URL Perfeita, leia para saber exatamente como construir uma URL cativante, tanto para seus leitores quanto para os buscadores.

Snippet

Snippet é a frase que aparece logo abaixo da URL, como no selecionado na imagem abaixo:

Você deve sugerir ao Google qual o seu snippet – ou tag meta description – que ele deve considerar.

Mas é importante ressaltar que se os caracteres escolhidos não forem coerentes e precisos com o conteúdo daquela página, o Google pode selecionar um trecho do texto daquela página.

Caso você deixe esse item em branco na sua postagem o Google vai fazer uma seleção própria dos caracteres.

Mas é possível bloquear a função snippet dentro do seu blog ou site, basta inserir a tag <meta name=”nosnippets”> para impedir que o snippet seja criado e fique disponível visualmente para os usuários dentro dos resultados de busca.

Sitelinks

São links internos elencados pelo Google, são escolhidos segundo a relevância que eles possuem para aquele determinado assunto.

Esta é uma ótima ferramenta para os usuários, por se tratar de uma bússola que pode guiá-lo antes mesmo de abrir aquela determinada página. Durante este artigo falarei mais detalhadamente sobre este item.

Portanto, leia até o final, certo?

Search within a site

Este item é um dos poucos que podem ou não aparecer nos resultados dos buscadores. Isso quem decide são os algoritmos do Google, você não tem como prever ou solicitar o search within a site.

Eu poderia dizer que ele funciona como se fosse um buscador dentro daquele resultado exposto. Ou seja, quando ele está disponível é possível que o usuário faça uma busca rápida de algum termo antes mesmo de clicar no link da sua página.

Segundo o Google, o fato desse item aparecer ou não está ligado diretamente a qualidade e relevância do seu site.

A sugestão do Google Search Console para que você tenha esse item é: “para os links internos do seu site, use textos âncora e textos com atributo alt informativos, compactos e sem repetições”.

#5 Search Traffic

O Search traffic – ou tráfego de busca – é a aba que contém métricas relacionadas ao acesso das pessoas no seu site através das buscas.

Dentro dessa aba você vai encontrar os seguintes subitens:

  • Search Analytics
  • Links para seu site
  • Links internos
  • Ações manuais
  • Segmentação internacional
  • Facilidade de uso em dispositivos móveis

Com os resultados fornecidos em cada aba você pode compreender porque os cliques acontecem ou deixam de acontecer.

Se o usuário entrou em determinada página devido a um link interno inserido em determinado post, se a preferência de idioma do seu público corresponde à utilizada e etc.

E, é nesta aba também que você terá acesso a erros de velocidade e carregamento das suas páginas em dispositivos móveis, que podem prejudicar a classificação do seu site. Fique muito atento a essa questão!

#6 Google Index

Dentro da aba Google Index, traduzindo o termo temos indexação do Google, você vai encontrar:

  • Status do índice
  • Recursos bloqueados
  • Remover URLs

Ao analisar os dados fornecidos por cada item você pode acompanhar o desempenho do seu site na indexação do Google, por exemplo. Também é possível visualizar quais e quantas páginas foram indexadas e quais foram bloqueadas pelos robôs do Google.

No sub item ‘recursos bloqueados’ você terá acesso a erros de indexação devido a problemas de leitura pelo Googlebot.

Como você já deve imaginar, uma página tem muitos recursos e se houver erro na compreensão dos mesmos a sua página pode ser indexada de forma equivocada ou até mesmo não ser indexada.

Por exemplo, arquivos JavaScript, CSS, robots.tx devem ser acessados sem perda pelo Googlebot, caso contrário a sua classificação dentro dos buscadores pode ser comprometida.

Os principais recursos bloqueados que podem prejudicar o seu ranqueamento são aqueles que afetam diretamente o conteúdo e o layout do seu site. Fique muito atento a eles.

#7 Crawl

Essa aba aborda métricas relacionadas às dificuldades de rastreamento que os robôs do Google estão enfrentando ao analisarem suas páginas. Os sub itens passíveis de observação são:

  • Erros de rastreamento (erros do site e erros de URL)
  • Estatísticas de rastreamento – Páginas rastreadas por dia, Quilobytes recebidos por dia e Tempo de download de uma página
  • Buscar como o Google – a nossa maior curiosidade é entender como o Google nos vê, este subitem permite que você busque cada página sua como se fosse o próprio Google
  • Testar robots.txt – aqui você pode editar seu robots.txt e procurar erros
  • Sitemaps
  • Parâmetros de URL – inserir parâmetros que podem auxiliar o Google a indexar suas páginas corretamente

#8 Configurações do Google Search Console

Para acessar as configurações do seu site dentro do Google Search Console você deve clicar no seu site na “Página Inicial”, como sinalizado na figura abaixo:

Dentro desta aba você terá acesso a algumas configurações da conta selecionada, note que se nenhum site for selecionado a única configuração disponível será notificações por email.

Portanto as configurações que vou citar neste e nos próximos tópicos são exclusivas para cada site, ou conjunto de sites, certo?

Como você notou na imagem você pode configurar os seguintes itens:

  • Preferências do Search Console
  • Configurações do Site
  • Mudança de Endereço
  • Propriedade do Google Analytics
  • Usuários e Proprietários
  • Detalhes da Confirmação
  • Associados

Quero mostrar cada um destes itens para que você saiba como fazer as devidas alterações, vamos lá?

Dependendo da sua escolha de idioma estes termos podem aparecer em inglês, vou abordar os termos neste idioma e traduzido para que não haja confusões.

Search Console Preferences

Ou preferências do Search Console.

O Google Search Console pode se comunicar com os proprietários via email. Dentro desta aba você pode desativar esta opção, mas o Google avisa que os emails não são em grande quantidade.

Dentro desta aba específica a seleção é feita de forma globalizada, ou seja para todos os sites cadastrados, tanto que você vai notar que a ferramenta desabilita automaticamente a seleção que você fez do site.

Eu aconselho que você não desative o recebimento de emails para ficar sempre por dentro dos informativos.

Site Settings

Você pode configurar o domínio de sua preferência, mas esta aba está restrita apenas a domínios no nível da raiz.

Por exemplo, se o domínio de sua preferência for no formato: http://www.exemplo.com, e no rastreamento o Google encontrar um link para http://exemplo.com – ou seja sem o www – ele pode considerar como ambos sendo o mesmo endereço.

Outra opção de configuração é a ‘Taxa de rastreamento’. O Google seleciona uma taxa ideal de rastreamento e aplica isso em todos os sites. Mas você pode alterar esta taxa solicitando, via formulário, que o Google faça essa modificação.

O formulário é disponibilizado no link “saiba mais”, logo na frente de “Taxas de rastreamento”.

Change of Address

O Google Search Console também permite que você configure uma mudança de domínio do seu site. Se você quiser mudar basta acessar esta aba para fazer a configuração da troca, seguindo os passos recomendados pelo Google:

1 – Adicionar o novo endereço em “Adicione uma propriedade”, na página inicial

2 – Entrar em ‘Change of address’ e escolher o novo site da lista, você também poderá adicioná-lo diretamente nesta aba

3 – Verificar se os redirecionamentos 301 estão corretos e funcionando, o protocolo seguido deve ser o mesmo que você usa para fazer essa mudança em seu site

4 – Confirmar a verificação de ambos endereços

5 – Enviar o pedido de alteração para o Google Search Console

Google Analytics Property

O Google Search Console pode ser configurado para que os dados sejam compartilhados com o Google Analytics, você precisa ter conta nas duas ferramentas e fazer a configuração nesta aba.

Basta ativar a seleção: “Ativar dados do Search Console no Google Analytics”.

Dessa forma os dados do Search Console vão ser carregados automaticamente para os seus relatórios de Google Analytics. O caminho inverso também é possível com essa configuração, o Search Console pode vincular seus relatório ao Analytics.

Vou falar mais detalhadamente sobre esse item no tópico Como Integrar o Google Analytics Com o Search Console.

Caso você não tenha uma conta no Analytics, logo no final desta aba existe um link direto para que você possa criar uma conta no momento da configuração.

Users & Property Owners

Nesta aba você pode fazer a configuração de novos usuários e gerenciar proprietários.

Ao clicar em gerenciar proprietários você terá acesso ao status e qual a data da verificação e, caso queira cancelar essa verificação o Search Console fornece essa alternativa no final da página.

Para incluir novos usuários você deve clicar no ícone adicionar novos usuários.

Automaticamente uma caixa de informações vai se abrir, você deve preencher com o email do novo usuário e selecionar se o alcance dele será restrito ou total.

Clique em adicionar e pronto!

Assim como em todos os subitens do Google Search Console, existem informações do próprio Google a respeito de cada item para que você consiga fazer alterações configurações e edições mesmo com conhecimentos básicos sobre programação.

Verification Details

Como o próprio nome diz, esta aba é a verificação de detalhes, e é exatamente a mesma página que você encontra ao clicar em “Gerenciar Proprietários”, na aba “Users & Property Owners”

Associates

Associados é a aba que elenca todos os usuários cadastrados pelo proprietário. Você pode, inclusive, cadastrar um novo na própria página selecionando o botão “Adicionar novo usuário”.

Google Search Console Beta

Se você acabou de criar sua conta no Search Console deve ter notado um recado do Google logo na página principal, a respeito de uma nova versão desta ferramenta, o Google Search Console Beta.

Ao clicar em ‘Usar o novo Search Console’ você será enviado para uma nova aba de relatórios. Como a imagem a seguir.

Os subitens que já foram transferidos para a nova versão são:

  • Status
  • Desempenho
  • Sitemaps
  • Ajuda
  • Enviar comentário e
  • Ir para a versão antiga

Não se assuste com a falta de ferramentas que você, com certeza, considera indispensáveis. O Google informou que a nova versão não está completa. Alguns itens serão acoplados a outros e algumas funções serão descartadas.

O Google garante que não haverá prejuízo para os usuários, os relatórios vão continuar a fornecer informações fundamentais para otimizar seu site. A intenção é que o site fique mais prático e intuitivo.

Uma função já instalada que vale a pena conferir é a criação de sitemaps de uma forma muito mais simples e direta.

Segundo o informativo do Google Search Console as duas versões ficarão no ar por mais algum tempo, até que todas as alterações sejam finalizadas.

Continue a acompanhar meus posts para receber todas as atualizações que estão por vir. E não esqueça de contar nos comentários quais foram suas primeiras impressões do Google Search Console Beta.

Adicionando e Verificando um Site no Google Search Console

Você já compreendeu que adicionar um novo site e fazer as configurações necessárias tornam-se intuitivas se você seguir o passo a passo do próprio sistema.

Mas quero criar um manual para que você realize a instalação e faça a configuração da maneira mais simples e rápida possível.

Vamos lá?

Instalação e Configuração

O Google Search Console funciona como qualquer outro arquivo dentro do seu site ou blog. Como você aprendeu no tópico sobre como funciona essa ferramenta, você deve seguir alguns passos fornecidos pelo Google.

Mas, neste item, quero explicar detalhadamente como você vai instalar e configurar o Google Search Console dentro da sua plataforma.

Vale ressaltar que o manual varia dependendo da plataforma utilizada. Normalmente você encontra um guia específico dentro das suas configurações. Caso tenha alguma dúvida deixe nos comentários abaixo do texto.

Depois de acessar o site do Google Search Console, você deve entrar com o seu login e senha do Gmail e adicionar uma nova propriedade (site, blog ou aplicativo).

Depois de completado o primeiro passo o Google vai enviar um email para que você possa inicializar a instalação e configuração desta ferramenta, como mencionei em tópicos anteriores.

Na área de verificação você terá acesso aos “Métodos alternativos” e “Método recomendado”, as opções vão aparecer da seguinte forma:

Você pode selecionar qualquer uma das opções de verificação, mas nos próximos tópicos vou mencionar as mais utilizadas.

Adicionando a Tag HTML

Para adicionar uma meta tag na página do seu site baixe, primeiramente, o arquivo sugerido em “método recomendado” pelo Google, se você não sabe como fazer isso eu explicarei melhor no tópico a seguir.

Antes de confirmar, na aba “Método recomendado” você deve selecionar a opção “Métodos alternativos”. clique na primeira opção: Tag HTML.

Automaticamente, após a seleção, o Google vai fornecer uma metatag do seguinte formato: <meta name=”google-site-verification” content=”letrasenumeros” />

Você deve copiar a metatag e colá-la na página inicial do seu site. Ele deve ficar entre a seção <head> e <body>. Como no exemplo a seguir:

<html>

<head>

<meta name=”google-site-verification” content=”letrasenumeros” />

<title> Meu título </title>

</head>

<body>

conteúdo da página

</body>

</html>

Para inserir o código da Tag HTML dentro do seu SEO by YOAST do WordPress, copie e cole apenas o código: “letrasenumeros”.

Acesse o Painel do WordPress no item SEO>Geral, acesse ‘Ferramentas para Webmasters’ e digite o código na opção Google Search Console e ‘salvar alterações’.

Volte para a aba Tag HTML e clique em confirmar para que o Google Search Console dê prosseguimento na verificação. E lembre-se, essa meta tag deve ser mantida no seu site mesmo depois da verificação finalizada.

Faça o Upload do Arquivo HTML

Como mencionei no tópico anterior, é interessante baixar o arquivo HTML antes de adquirir a metatag. Para isso você deve clicar, primeiramente, em “Método recomendado” e no link disponibilizado na primeira frase: “Faça o download deste arquivo de verificação HTML”.

Quando o upload for concluído você deve clicar na caixa de dowloads e o Google Search Console vai abrir uma página de resposta. Se o seu download tiver ocorrido da forma correta a seguinte informação aparecerá na sua tela:

Com o download finalizado, você pode carregar esse arquivo no painel de controle do seu site, na área de gerenciamento de arquivos. Este passo pode variar dependendo da plataforma na qual o seu site está hospedado.

Caso você tenha terceirizado a produção do seu site, sugiro que contate o profissional ou peça auxílio dentro da própria plataforma.

Verificando Através do Seu Domínio

Outra opção, dentro da aba “Métodos alternativos” é fazer a verificação através do seu domínio. Para escolher esta forma, selecione a segunda opção disponível: “Provedor de nome de domínio”.

Você deve estar logado no domínio, e selecionar qual é o seu registrador ou domínio, como por exemplo: GoDaddy.com, Google Domains, Locaweb, Register.com, Wix.com.

Se você não sabe qual é o seu domínio procure em seu email mensagens recebidas em relação ao faturamento da compra do mesmo, ou clique no botão “Eu não sei quem é meu provedor/registrador” que aparecerá logo abaixo da opção “Selecione seu registrador ou domínio”,

Adicionando o Código do Google Analytics

Está é a terceira opção dos métodos alternativos. Caso queira utilizar o Google Analytics para fazer a verificação selecione o item ‘Google Analytics’.

E vale ressaltar que esta seleção permite apenas que o Google Search Console faça a verificação, nenhum dado do Analytics será utilizado, ok?

Para começar você deve acessar o código de acompanhamento assíncrono, clique no link fornecido pela ferramenta para ter acesso ao manual de como adquirir este código.

Você deve encontrar seu ID de acompanhamento para usá-lo no snippet do código de acompanhamento. Insira o snippet em cada página da Web que você gostaria de acompanhar.

O snippet deve ser inserido logo após a tag de abertura <head> de cada página. Da seguinte forma:

<!– Global Site Tag (gtag.js) – Google Analytics –>
<script async src=”https://www.googletagmanager.com/gtag/js?id=id-de-acompanhamento”></script>
<script>
window.dataLayer = window.dataLayer || [];
function gtag(){dataLayer.push(arguments);}
gtag(‘js’, new Date());

gtag(‘config’, ‘GA_TRACKING_ID’);
</script>

Verifique se o código está funcionando corretamente nos relatórios em tempo real, se as visitas estiverem sendo registradas o código está ok. O último passo é clicar em Verificar.

Google Console API

A sigla API refere-se ao termo “Application Programming Interface”, ou “Interface de Programação de Aplicativos”. Sim é possível inserir o seu aplicativo no Google Search Console.

Você deve fazer isso logo na primeira etapa do cadastramento, ao invés de inserir um site como propriedade você pode selecionar a opção aplicativo, inserir o nome do seu aplicativo e seguir as orientações fornecidas para fazer a verificação.

Utilizando o Google Tag Manager

A quarta, e última, opção de verificação dos métodos alternativos é utilizando o ‘Gerenciador de tags do Google’, para usar sua conta do gerenciador de tags selecione esse item na mesma aba.

O primeiro passo é instalar o ‘Gerenciador de tags’, caso ainda não o tenha feito. Siga os passos a seguir:

  • Crie uma conta em tagmanager.google.com
  • Faça um novo “contêiner” para o seu website ou aplicativo e o instale no seu conteúdo
  • Adicione e atualize as tags

Acesse o manual fornecido pelo próprio Google Search Console para compreender profundamente cada etapa.

Dessa forma você poderá usar o snippet de recipiente. Para prosseguir com a verificação você deve ser proprietário ou administrador do site, blog ou aplicativo, e ter permissão para gerenciar tags.

Por fim, clique em verificar.

Escolha dentre essas quatro opções qual o modelo mais fácil ou interessante de verificação, mas lembre-se que esta etapa é obrigatória para que o Google Search Console seja instalado e configurado da maneira correta.

Como Integrar o Google Analytics Com o Search Console

Essa é uma dúvida bastante recorrente, afinal conseguir integrar ferramentas do Google é sempre uma boa estratégia de gerenciamento de dados, certo?

Passo a passo de como integrar sua conta do Analytics com o Search Console:

  1. Crie ou acesse sua conta no Google Analytics
  2. Vá na aba ‘Administrador’
  3. Selecione ‘Todos os produtos’
  4. Você vai ter acesso a página com todos os produtos do Google, como: Google AdSense, AdWords, Search Console, dentre outros
  5. Clique em ‘Search Console’
  6. Em ‘Configurações do Search Console’, selecione a opção Editar ou Adicionar
  7. Automaticamente a sua conta do Google Search Console vai abrir em um outra aba
  8. Selecione o site cadastrado que você deseja fazer a integração com o Analytics
  9. Clique em salvar
  10. Confirme a solicitação (OK)
  11. Você será redirecionado a página inicial do Google Search Console
  12. Retorne a aba do Google Analytics e atualize a página
  13. Neste momento o site vinculado aparecerá em ‘Configurações do Search Console’
  14. Caso tenha selecionado o site errado ou a versão errada do seu site principal, clique em editar e faça o mesmo processo com o endereço corrigido

A parte de integração está finalizada, agora você deve fazer as configurações solicitadas na aba ‘Configurações da propriedade’.

  • Ative os Relatórios demográficos e com base em interesses
  • Use atribuição melhorada de link.

Agora é só salvar! Essa integração permite que você associe uma propriedade do Google Analytics a um site do Google Search Console, dessa forma você pode ter acesso aos dados do Search Console nos relatórios do Analytics.

Adicionando o Sitemap

O Google Search Console permite que você selecione quais páginas do seu site devem ser rastreadas pelos robôs do Google.

Você pode disponibilizar seu sitemap de duas maneiras:

  • Através da ferramenta de sitemaps do Search Console ou
  • Inserir http://example.com/sitemap_location.xml em qualquer parte do seu arquivo robots.txt, especificando o caminho para o sitemap.

Portanto, faça a seleção de páginas, escolha o formato de sitemap que deseja utilizar. Após realizar o teste de sitemaps do Google search Console você já pode enviá-lo para o Google.

Dicas:

  • Use URLs coerentes e qualificadas
  • Prefira subdividir um sitemap grande
  • Lembre-se que um arquivo de sitemap pode ter no máximo 50.000 URLs e até 50 MB sem compactar
  • Use um arquivo de índice de sitemap com todos sitemaps e envie esse arquivo único ao invés de sitemaps individuais

Cheque o Arquivo robots.txt

Se você mexe com a administração de sites e blogs sabe que os arquivos robots.txt podem gerar alguns erros. E esse fato pode dificultar que você realize integrações ou outras ações dentro do seu site.

O Google Search Console tem uma ferramenta que testa os arquivos robots.txt, a pesquisa define os arquivos que estão bloqueando o acesso dos rastreadores.

Essa ferramenta é fundamental para descobrir se uma imagem está bloqueada ou até mesmo se você quer bloqueá-la.

Ao acessar a ferramenta você terá acesso a listagem com avisos de sintaxe e erros. Você também pode testar uma URL específica, basta inserir o endereço na caixa de testes, o sistema vai responder com ‘Aceito’ ou ‘Bloqueado’

Você pode realizar testes de alteração na própria ferramenta.

Mas atenção, eles não serão salvos. A ideia é que você faça alterações que considera necessária e teste para saber o que está ocasionando o erro.

Para fazer a alteração de forma real no site, você deve entrar no gerenciador e fazer isso de forma manual. É interessante ressaltar que essa ferramenta é útil para visualizar erros de arquivos apenas para o Google e rastreadores como o Googlebot.

Fetch as Google e Submetendo a Página Para a Indexação

Para adicionar novas páginas ou fazer alterações em seu site é interessante que você solicite uma indexação ou reindexação. A ferramenta indicada pelo próprio sistema é a Fetch as Google, traduzindo ‘Buscar como o Google”

Ao entrar na página da ferramenta será solicitado que você escolha uma propriedade para a reindexação. É permitido uma URL por vez, caso você queira fazer a indexação ou reindexação de mais de uma sugiro que use um sitemap.

Você pode fazer a indexação de uma página específica, para isso complete a caixa com a URL escolhida, ou deixe em branco para indexar a página principal

O Google, entretanto, faz algumas restrições em relação às buscas dessa ferramenta, consulte o manual fornecido pelo Google Search Console.

Fetch and Render

Ao utilizar a opção “Fetch and Render”, o Google informará sobre elementos que os spiders não podem visualizar, o Googlebot percorre a página e todos os links daquele domínio. Sejam eles imagens, arquivos CSS, JavaScript ou outros códigos inseridos.

Quando a busca e renderização estiverem concluídas, as Ferramentas do Webmaster mostram uma imagem de como o Google vê e outra de como seus usuários e espectadores veem sua página.

Métricas para serem acompanhadas mensalmente

Você já deve ter notado que analisar métricas, dentro do Marketing Digital, é uma estratégia indispensável para qualquer profissional e empreendedor. As métricas agem como respostas em tempo real para suas estratégias de Marketing.

O Google Search Console, assim como todas as ferramentas do Google, também sinalizam os seus resultados através de algumas métricas muito relevantes. Neste tópico vou abordar as principais e que você, definitivamente, deve ficar de olho.

E não se esqueça, caso não tenha compreendido alguma delas deixe nos comentários, ok?

Search Queries

O Search Queries é uma métrica que usuários do Google Analytics sentiam falta. Principalmente depois do not provided.

Se você usa o Analytics deve ter notado que há algum tempo alterações em relação a buscas seguras bloquearam o acesso a algumas informações relevantes sobre palavras-chave.

Foi a partir dessa alteração que o Google Search Console se tornou uma ferramenta ainda mais importante.

Em resumo o Search Queries é um relatório de como as pessoas chegam ao seu site e para onde elas vão.

Essa ferramenta sinaliza algumas outras informações como:

  • Quais palavras-chave as pessoas buscam no Google
  • Quais páginas do seu site são mais clicadas
  • Quanto de audiência o seu site recebe

A ferramenta Search Queries oferece resultados de buscas durante um período de 30 dias, você pode selecionar se o intervalo será o mais recente ou algum outro que você necessite consultar.

Um gráfico bastante relevante é o de impressões e tráfego real. A ferramenta desenha duas linhas, uma em azul, referente a quantas vezes a sua página apareceu como opção nos buscadores e uma vermelha referente a quantidade de cliques recebidos.

Obviamente, em uma situação ideal essas duas linhas deveriam ser sobrepostas. Afinal, todo empreendedor, blogueiro e webmaster gostaria que o usuário que visualizasse seu link nos buscadores clicasse imediatamente neles, certo?

No mundo real procure entender o que faz com que essas linhas se aproximem, ficar atento ao CTR disponível abaixo do gráfico é essencial para analisar os resultados das suas campanhas de Marketing.

Páginas com CTR alto indicam que os usuários sentiram-se mais propensos em clicar no link assim que leram o seu título e a meta. Assim como um baixo CTR significa que há algo errado entre o conteúdo exposto nos buscadores e o que os usuários esperam em relação àquelas palavras-chave.

Pode ser devido a um título pouco impactante, uma meta description confusa ou sem relevância para o tema em questão.

Ou seja, o Search Queries é um ótimo indicador de páginas que realmente convertem, essas são as suas melhores páginas, e não necessariamente aquelas com maior índice de impressões.

Fique atento às páginas selecionadas como “top pages”, elas podem guiar a sua equipe para formular campanhas de marketing mais eficientes.

HTML Improvements

Essa métrica refere-se a melhorias de HTML. Em relação a essa ferramenta disponibilizada pelo Google Search Console é fundamental comentar que o nome pode ser um pouco contraditório em relação a sua função.

Estou falando neste tópico sobre métricas, e é exatamente o que o HTML Improvements é. A sua função é informar erros e dificuldades geradas pela sua HTML, e não, como o nome sugere, realizar melhorias automaticamente.

O administrador ou proprietário do site deve ler os resultados disponíveis e fazer alterações, correções e testes manuais na aba de gerenciamento do seu site.

Erros mais comuns nas suas title tags:

  • Extensão: ou muito curtas ou demasiadamente longas
  • Conteúdo: incoerentes ou que não informem algo ao leitor
  • Originalidade: o Google costuma penalizar sites que tenham muitas páginas com nomes iguais, como por exemplo, diversas páginas com o nome “produtos em promoção”, ou “os melhores produtos”

Como você pôde notar, os erros não costumam ser trabalhosos em sua resolução, a menos, é claro, que você tenha um site muito extenso com diversos erros de HTML. Caso esse seja o seu caso, solucionar essas questões pode ser um pouco mais trabalhoso.

Tenho uma dica para você: não atualize ou recarregue alguma página sem deletar a anterior, ok? Isso pode gerar uma duplicidade que não será vista com bons olhos pelos robôs do Google.

Index Status

Essa métrica representa o status de indexação do Google. Para analisar a proporção das suas páginas indexadas pelo Google a ferramenta disponibiliza um gráfico com a quantidade de páginas indexadas.

A ideia é que a reta seja inclinada positivamente conforme a quantidade de páginas aumenta.

O meu conselho é que você fique muito atento a quedas, essa ocorrência pode ser resultado de erros em arquivos robots.txt, ou algum problema que esteja dificultando o acesso do Google às suas páginas.

Qualquer dificuldade que os robôs encontrem ao acessar informações, vídeos e imagens podem prejudicar sua indexação, ou até mesmo impedi-la.

Outro ponto que vale sua atenção pode lhe surpreender. Elevações desproporcionais nas quantidades de páginas indexadas também pode ser um sinal de erros. Você pode estar com problemas de segurança ou até mesmo duplicidade de páginas e conteúdos.

A minha sugestão é que você acompanhe esta métrica frequentemente e realize teste sempre que houver alguma variação brusca no gráfico, seja ela “positiva” ou negativa

Content Keywords

Essa é uma métrica bastante interessante para você ler junto com o Search Queries, afinal o Content Keywords faz uma listagem com as palavras-chave mais usadas no seu site, segundo o próprio Google.

As palavras-chave são termos ou palavras relevantes para o Google.

Crawl Errors

A principal função desta ferramenta é sinalizar alguns erros, sejam eles de páginas não localizadas (error 404), acesso negado, erros de servidor (error 500), dentre outros. Ela também sinaliza, na aba Crawl Stats, erros específicos de dispositivos móveis.

Durante o processo de busca para encontrar estes erros, o Google, diariamente, recolhe dados sobre a quantidade de páginas visitadas pelos robôs, tempo de carregamento de cada página e quais erros de rastreamento foram encontrados.

PageSpeed Insights

Essa métrica tem relação direta com a do tópico anterior. Quando os robôs do Google encontram erros de carregamento relacionados ao tempo de rastreamento a sua página pode estar funcionando aquém do que o Google considera bom para o ranqueamento.

O PageSpeed Insights fornece dados comparativos de velocidade, ou seja, o quanto a velocidade de carregamento do seu site foi mais eficiente este mês comparado ao mês anterior.

Se essa métrica está negativamente estável ou com decréscimos de velocidade é fundamental tomar providências em relação às configurações dos seus arquivos.

Vale ressaltar que as métricas fornecidas pelo Google Analytics pode e devem ser agregadas a sua análise dentro do Google Search Console. O conjunto de dados, dessa forma, pode lhe fornecer suporte para criar estratégias mais eficientes.

E lembre-se, estas métricas são passivas, instalar e configurar o Google Search Console não altera em nada o ranqueamento do seu site se você não analisar os dados e tomar decisões assertivas considerando acertos, erros e mudanças de cenário.

Como Encontrar os Erros do Site no Google Search Console

Um dos objetivos mais claros do Google Search Console é evidenciar erros ou itens, dentro do seu site, que sejam prejudiciais para o ranqueamento. Grande parte do que foi abordado neste texto fala sobre correção de itens que não são eficientes para o Google.

Neste tópico quero fazer algumas divisões para que você consiga setorizar possíveis erros do seu site, blog ou aplicativo. Vamos lá?

Erros de segurança

Esse é um dos erros mais penalizados pelo Google, afinal, ele compromete, não só a imagem do site de destino, como do próprio buscador. Não [é a toa que o Google Search Console tem uma aba específica para este tipo de erro.

Na página principal, selecione o site que você deseja fazer essa inspeção, e clique em ‘Problemas de Segurança’. O Search Console lhe fornecerá um relatório sobre erros de segurança.

A ferramenta também faz um alerta importante sobre avisos de malware no navegador. Fique atento, pois eles podem estar inseridos em links externos ou internos inseridos nesta página específica.

Portanto fique atento às informações externas que você carrega em suas páginas, alguns conteúdos podem ser considerados maliciosos para o Google.

Para saber mais detalhes sobre possíveis páginas invadidas acesse o manualfornecido pelo Google.

Erros de Rastreamento

São erros que impedem que a sua página seja encontrada pelo Google, e, consequentemente, disponibilizada nos resultados de busca. Acesse a aba ‘Erros de rastreamento’ para ter mais informações sobre o seu site.

Os erros podem ser:

  • DNS
  • Conectividade do servidor
  • Busca de robots.txt

Para localizá-los selecione a propriedade que você queira analisar, clique em ‘Rastreamento’ e depois ‘Erros de rastreamento’.

Erros de URL inacessíveis:

  • Erro 5xx
  • Problema no DNS
  • Arquivo robots.txt inacessível
  • Rede inacessível
  • Falha ao conectar
  • Sem resposta
  • Resposta truncada
  • Conexão recusada
  • Cabeçalhos truncados

O Google aconselha que você não mantenha nenhum dos erros citados, mesmo em baixa porcentagem. Caso você elimine os pontos problemáticos e mesmo assim o seu site apresentar erros acesse o fórum de perguntas para maiores esclarecimentos.

O Google procura colocar em ordem dos erros mais problemáticos aos menos. A sugestão é que você resolva sempre problemas de redirecionamentos importantes (301), principalmente se as páginas estiverem vinculadas a outros sites e URLs antigos.

Marcar erros de URL como corrigidos:

Ao resolver um erro, você pode avisar ao Google sobre isso. Basta que você selecione a opção ‘Marcar como corrigido’, ao lado da URL do erro solucionado.

A URL sairá da sua lista de erros, mas isso não quer dizer que o Google confirmou a solução, ok?

Na verdade, essa etapa é útil apenas para o seu gerenciamento de site. Caso o Google volte a encontrar erros naquela URL, ou o erro anterior não tenha sido resolvido, ele aparecerá no relatório novamente.

Todos os Termos Que Você Deve Saber Sobre o Search Console

Durante este artigo falei sobre inúmeros termos de Marketing Digital, do Google e do próprio Search Console, alguns são bastante intuitivos e outros você pôde compreender nos tópicos anteriores.

Mas a intenção deste post é construir um glossário com todos os termos que você precisa saber para compreender algumas funções, e usar da forma correta cada benefício que o Google Search Console pode oferecer para quem, assim como eu, quer estar entre os primeiros resultados do Google.

Se você tem algum termo específico, que não abordei nos itens abaixo, e gostaria que eu esclarecesse, por favor deixe nos comentários abaixo do texto.

Structured Data

A tradução para Structured Data é: dados estruturados. São dados que destacam algum setor do seu conteúdo. Como tags, links ou até mesmo descrições.

O Google Search Console tem um assistente de marcação responsável por nortear as escolhas de dados estruturados de forma que os mesmo sejam melhores compreendidos pelo Google.

Dessa forma, você e sua equipe podem desenvolver dados mais atrativos, coerentes e interessantes para o buscador.

A ferramenta também pode influenciar nos dados enviados por email, mas vou deixar esse item para outro tópico específico.

Data Highlighter

São marcadores de dados, o marcador de dados é uma função que mostra ao Google qual é o padrão de dados do seu site.

Portanto, você pode fazer a seleção da especificação dos seus dados e comunicar ao Google. Se ele puder rastrear aquela página determinada, o buscador vai conseguir rebater as informações de uma forma mais assertiva.

Se você selecionar uma listagem de eventos, por exemplo, com informações de data, local e etc., da próxima vez que o Google fizer o rastreamento daqueles dados eles podem ficar disponíveis para rich snippets, nos resultados de busca.

Melhorias de HTML

Falei sobre Melhorias de HTML em tópicos anteriores, essa ferramenta sinaliza possíveis erros de HTML que podem prejudicar o ranqueamento do seu site. Ela, na verdade, não é uma ferramenta e sim uma métrica.

Cuja função é mostrar ao administrador, ou proprietário, que existem pontos falhos nas suas HTML’s.

Por mais que muitos erros desse tipo não impeçam que o Google rastreie o seu site, com certeza, eles influenciarão na sua posição dentre os possíveis resultados.

Sitelinks

Os sitelinks são links internos disponíveis em alguns resultados de pesquisa. Para o Google é uma maneira de fornecer aos usuários uma melhor experiência com o buscador e com os sites gerados nos resultados.

Afinal, o usuário pode ter acesso a alguns títulos de páginas que podem ser do seu interesse. É como se ele pudesse fazer uma pequena busca no seu site através dos sitelinks.

O Google faz uma analise dos seus links internos e cria atalhos para facilitar a busca dos usuários. Os algoritmos para essa seleção são complexos e não possuem regras básicas que você possa seguir para ser beneficiado com essa ferramenta.

Por agora é uma escolha do Google baseada em uma séries de critérios conhecidos ou não do público, como relevância do site, utilização de textos âncoras e com atributo alt, por exemplo.

Search Traffic

Como você já aprendeu neste artigo, Search Traffic significa Tráfego de Pesquisa. A ferramenta disponibiliza relatórios essenciais para compreender como é o tráfego do seu site.

Como o Search Analytics, por exemplo

Apresenta relatórios com o tráfego orgânico do seu site, palavras-chave inseridas nos buscadores que levaram o usuário ao seu site e palavras com maior tráfego.

Quais páginas foram referência para outros sites e se aquelas que você considera importantes estão gerando resultados realmente expressivos.

Outro relatório muito útil para empreendedores é compreender de quais países os seus usuários são, dependendo desse resultado você pode criar um site bilíngue, por exemplo.

O Search Analytics também fornece um relatório referente aos acessos via desktop ou dispositivos móveis e se o usuário entrou apenas na imagem ou no conteúdo do seu site.

É possível acompanhar métricas relevantes para o seu Marketing Digital. E o melhor, você pode selecionar a data de análise. Dessa forma, o Google Search Console vai fornecer para uma data específica qual o seu CTR, o número de cliques, impressões, posicionamento e etc.

Search Queries

O Search Queries, que significa Consultas de Pesquisa, era uma ferramenta de análises criada pelo Google, ela, atualmente, foi substituída pela Search Analytics. Hoje, é uma ferramenta mais precisa sobre dados de pesquisas.

Links to Your Site

Se você trabalhar com sites e blogs há algum tempo, este é um termo que muito lhe interessa, correto?

Links to Your Site são links que encaminham o leitor para alguma página ou post do seu site. Todos nós queremos criar conteúdos que sejam referência para outros sites, blogueiros e influenciadores.

Primeiro porque isso ratifica nossa autoridade no mercado e segundo porque o Google utiliza esse fator para ranquear melhor sites que costumam ser mais citados.

Quanto mais pessoas estiverem linkando o seu site em textos próprios mais reconhecimento você terá com os usuários, colegas e, consequentemente, com o Google. Uma dica é ficar atento a quem esta usando o seu site como referencia para criar parcerias e colaborações.

Links Internos

Tenho certeza que você se preocupa muito com SEO, certo? Na era digital é muito difícil que você ainda não esteja criando conteúdos amigáveis aos buscadores. E você já percebeu que o YOST do WordPress, por exemplo, solicita que você insira links internos?

Isso acontece porque o Google usa o fator de links internos no rankeamento. Além, é claro de você criar uma estratégia bastante eficiente para manter o leitor por mais tempo nas páginas do seu site.

Inserir links internos pode fazer com que o seu leitor passe de um conteúdo para outro durante muito tempo sem nem ao menos precisar sair do seu site para conseguir toda a informação que gostaria.

Crie links internos agregadores e, dessa forma, eu garanto que você vai conseguir cativar não apenas aos usuários como também aos buscadores.

Use o Google Search Console para analisar seus links internos, é importante saber se eles são coerentes e atrativos e, principalmente, se estão surtindo efeito nos seus usuários.

Lembre-se é preciso analisar dados para construir estratégias eficientes!

Ações Manuais

Você já sabe que o Google é uma das ferramentas mais inteligentes que existem, não é mesmo?

Pois é, as ações manuais são mais uma prova disso. Além do buscador possuir algoritmos para analisar e apontar erros em seu site ele também pode fazer isso de maneira específica. E pior, ele pode penalizar o seu site com essas ações.

Exemplo de situações em que as ações manuais são empregadas:

  • Site invadido
  • Spam – gerados por usuários, pelo próprio site ou por hosts gratuitos
  • Links artificiais
  • Conteúdos com pouco ou sem valor
  • Cloaking
  • Redirecionamentos não autorizados
  • Excesso de palavra-chave
  • Texto oculto

Para verificar se existem ações manuais realizadas pelo Google acesse o Relatório de Ações Manuais, localizado na aba ‘Tráfego de pesquisa’.

Segmentação Internacional

Hoje a Internet possibilita que os produtores de conteúdo, e commerces e webmasters se comuniquem com diversos outros países. Mas o Google precisa que você configure seu site para se enquadrar em suas diretrizes.

Ao configurar seu site selecione o idioma e país referente ao seu público alvo, essa é uma maneira segura de fazer com que o Google faça a indexação correta das suas páginas. Além, é claro, de mostrá-las para o seu público-alvo nos resultados de pesquisa.

O Google Search Console sugere que você faça isso de duas formas:

  • Segmentação URL

Para segmentar a nível de URL você pode fazer a marcação nas páginas dessa forma: <link rel=”alternate” hreflang=”x” href=”alternateURL”> na seção <head>. Dessa forma o Google vai entender que suas páginas possuem versões alternativas de idioma.

Para que a segmentação não dê erro, as páginas devem ter uma tag hreflang que faça a vinculação para as outras alternativas de idioma e tag de referência.

  • Sitemaps

Ao segmentar sitemaps você pode sinalizar o conjunto de páginas, seguindo as recomendações do Google, com opções alternativas de idioma.

  • Cabeçalhos HTTP

Essa indicação de segmentação é referente a conteúdos com formatos diferentes de HTML, ao segmentar o cabeçalho de HTTP você sinaliza ao Google que existe uma versão do URL em outro idioma.

  • No site por completo

Para criar um site multilingue ou multirregional, acesse o Manual de diretrizes do Google.

Accelerated Mobile Pages

Páginas aceleradas para dispositivos móveis, é o quão preparado o seu site está para ser usado por dispositivos móveis.

Erros mais comuns que prejudicam esse acesso:

  • Viewport não configurada ou de largura fixa
  • Conteúdo não ajustado
  • Tamanho inadequado de fonte
  • Uso de intersticiais
  • Elementos de clique sem o espaço adequado
  • Utilização de Flash

Procure desenvolver o seu site para ser acessado em todas as plataformas possíveis, lembre-se que hoje a maior parte dos internautas acessa a conteúdos diariamente via dispositivos móveis, como smartphones, por exemplo.

A minha dica é que você sempre faça o teste visual do seu site, veja como ele se apresenta no formato para celulares e tablets. Caso você queira saber mais sobre esse item acesse o manual do Google sobre o assunto.

Google Index

Indexação do Google é um dos termos mais importantes para o Marketing Digital, como você já deve ter percebido.

Em outras palavras ele funciona como um medidor de desempenho. Falo muito sobre indexação e você pode não ter entendido exatamente o que significa este termo.

O Google coloca um número em cada site e, baseado nessa numeração, os sites podem ser avaliados e elencados segundo a sua importância dentro dos resultados de busca. Se o seu site tem um bom desempenho o Google pode fazer a indexação de forma mais assertiva.

Index Status

Como o item anterior, criei um tópico específico para o Index Status. De forma resumida o status de indexação são relatórios que explicitam quais páginas, indexadas pelo Google, foram removidas ou bloqueadas.

E, claro a proporção de páginas indexadas. E este fator é um item relevante para você conseguir ler adequadamente a evolução do seu site nos resultados de busca. E não se esqueça, é fundamental ficar atento a quaisquer mudanças drásticas neste item.

Palavras-Chave do Conteúdo

Se você me acompanha há algum tempo deve estar cansado de ler sobre palavras-chave, é que elas, definitivamente, são peças fundamentais para o SEO do seu site.

Sinalizar para o Google quais são suas palavras mais relevantes para cada conteúdo pode cooperar para que suas páginas sejam oferecidas visualmente para o público que você realmente quer atingir.

O Google Search Console tem ferramentas que lhe ajudam a desenvolver palavras-chave de conteúdo mais eficientes. Você pode ter acesso as palavras-chave mais utilizadas, quais são suas variáveis, frequência com que elas aparecem e em quais páginas.

O Search Analytics e o Google Analytics são duas ferramentas que maximizam a eficiência da sua estratégia de palavras-chave.

Mas fique atento a duas questões que podem sinalizar problemas em seu site.

Caso você identifique que o Google selecionou palavras-chaves que não condizem com o seu conteúdo faça o teste para descobrir se o seu site não foi invadido.

E se você tem construído seu conteúdo baseado em determinadas palavras-chave mas o buscador não as tem considerado, muito provavelmente, você está tendo problemas com erros de rastreamento ou indexação.

Remover URLs

Alguns erros e problemas de rastreamento e de indexação podem penalizar seu site como um todo, mesmo que esses erros estejam em apenas uma ou outra página. Óbvio que nenhum administrador ou gerenciador de site gostaria de remover URLs importantes.

Mas, em alguns casos, essa é a melhor alternativa para manter o seu site dentro das preferências do Google. Falei mais sobre essa ferramenta anteriormente, mas quero ressaltar que você tome cuidado com essa ela, certo?

A remoção incorreta ou sem redirecionamentos pode prejudicar ainda mais o seu site. Faça isso em casos, realmente, necessários e tomando cuidado para não gerar mais erros para o seu site.

Rastreamento

O rastreamento, como mencionei, é a inspeção do Google nas páginas de cada site da rede. É através de rastreamento que ele qualifica os sites para serem indexados e apresentados nos resultados de busca.

Erros de Rastreamento

Assim como toda inspeção, o Google pode ter dificuldade em rastrear o seu site. Esse fator é um dos responsáveis por um baixo ranqueamento nos resultados de busca. Os erros mais comuns se enquadram em duas categorias específicas, que são:

  • Do site: Acesso do rastreamento do Google impedido, em todo o seu site, nos últimos três meses;
  • De URL: Erros de rastreamento em determinadas páginas.

Estatísticas de Rastreamento

Esse termo corresponde a gráficos de rastreamento individual das páginas do seu site. É fornecido o número de páginas rastreadas, dados recebidos e tempo de download e carregamento das páginas, referentes a atividades do Googlebot nos últimos 90 dias.

Fique atento a mudanças drásticas, o Google sugere que você procure manter dados relativamente uniformes e com crescimento a longo prazo.

Quedas podem ser ocasionadas por diversos motivos, tais como:

  • Nova regra robots.txt adicionada
  • HTML quebrado ou conteúdo sem suporte
  • Problemas de velocidade no carregamento do seu site
  • Alta taxa de erros do servidor
  • Caso você tenha alterado, manualmente, taxa de rastreamento máximo

Aumentos repentinos podem ser ocasionados por alguns motivos, tais como:

  • O Googlebot está acessando outro site, para confirmar acesse Verificação do Googlebot
  • Novas informações úteis adicionadas ao site
  • Servidor sobrecarregado

Fetch as Google

Essa ferramenta já foi explicada anteriormente, mas como quero construir um glossário com os principais termos para que você possa salvar este artigo como guia para usar o Google Search Console é válido citar alguns pontos importantes.

Como quais resultados o Google indicou no Fetch as Google, por exemplo:

  • Pesquisa concluída – o rastreamento foi realizado completamente em seu site
  • Parcial – existem erros de rastreamento em alguma ou algumas páginas do seu site
  • Redirecionado – o servidor respondeu a um direcionamento, entretanto a ferramenta não segue redirecionamentos, apesar de o Google o fazer

robots.txt Tester

Mais uma das inúmeras ferramentas do Google Search Console para lhe ajudar a criar um site mais amigável para o próprio buscador. Ensinei anteriormente como usar essa ferramenta e como bloquear alguns arquivos para que não sejam indexados, por exemplo.

Esta é uma ótima solução para não sobrecarregar o servidor, problema que pode afetar suas estatísticas de rastreamento. Você pode retirar da indexação páginas com conteúdos de baixo valor ou irrelevantes.

Também usada por alguns proprietários de site para bloquear a indexação de algumas imagens pelo Google.

Sitemaps

Ensinei neste artigo como fazer um sitemap, mas o que eles realmente são? Bom, é essa pergunta que vou responder neste item do glossário.

Os sitemaps funcionam como uma ferramenta para facilitar a compreensão do Google em relação a organização do seu conteúdo. Ao listar páginas no sitemaps você fornece ao Google metadados (informações sobre as suas páginas) que estão associados às páginas vinculadas.

Isso facilita a leitura e, consequentemente, o rastreamento feito pelo Googlebot

Casos nos quais o Google Search Console recomenda o uso de sitemaps:

  • Sites muito grande
  • Arquivos extensos de páginas isoladas ou não vinculadas
  • Sites novos
  • Sites com poucos links externos
  • Sites que utilizam conteúdos rich media
  • Sites que sejam exibidos no Google Notícias
  • Sites que utilizam anotações compatíveis com outros sitemaps

Parâmetros de URL

Parâmetros de URL é uma ferramenta do Google Search Console que pode categorizar seu site de uma maneira mais eficiente para os buscadores.

Se você tem um e-commerce, por exemplo, usar parâmetros pode ser uma boa estratégia para evitar URLs marcadas como duplicadas. Para inserir Parâmetros de URL selecione a propriedade desejada e clique em Rastreamento.

Selecione a opção ‘Parâmetros de URL’ e clique em ‘adicionar parâmetro’.

O Google Search Console fornece opções para que você guie os robôs de rastreamento do Google, dessa forma eles podem interpretar seus parâmetros da forma adequada.

Caso você tenha alguma dúvida em relação ao comportamento de determinado parâmetro selecione a opção ‘Permitir que o Googlebot decida’. Para saber mais sobre como categorizar seus parâmetros consulte o Fórum de Ajuda.

Outros Recursos

Ao analisar este artigo você deve estar imaginando: Bom, agora as ferramentas do Google Search Console acabaram, não é mesmo?

Não, na verdade o Search Console tem uma aba com ‘Outros Recursos’ que esconde mais algumas ferramentas disponíveis. Para ter acesso a ela vá até página principal e selecione Web Tools, selecione a opção ‘Outros Recursos’ e a seguinte janela se abrirá:

A promessa do Google é que essas ferramentas colaborem ainda mais na otimização do seu site. Vamos analisar algumas delas.

Essa ferramenta sinaliza para o Google que você é uma empresa. Portanto, você pode fornecer a localização da sua loja física, telefone e informações adicionais sobre a sua loja.

Dessa forma você facilita na escolha dos dados que o buscador vai inserir logo abaixo do seu link.

Você pode inserir neste tópico dados e informações dos produtos ofertados pelo seu site. O Google vai disponibilizá-los para Google Product Search e demais serviços relacionados. Esse item facilita para que seus clientes em potencial localizem mais facilmente seus produtos.

Ferramenta do Google Search Console para tornar suas páginas mais rápidas, tanto no desktop quanto nos dispositivos móveis.

Esse item possibilita que você crie mini guias de busca dentro do seu próprio site. É uma ferramenta muito útil para melhorar a experiência dos usuários dentro do seu site e também para que você possa gerenciar dados sobre as buscas e preferências dos clientes em potencial.

Fique atento a esses dados para construir um layout mais atrativo para os seus clientes.

  • Domínios do Google

Se você tem um site ou um blog, mas ainda não adquiriu um domínio próprio o Google Search Console pode ajudar. Neste item você será redirecionado para uma página específica de compra de domínio do Google Domains.

É claro que esta ferramenta também é útil caso você ainda não tenha criado nenhum site.

  • Academia de webmaster

Seguindo pelo mesmo caminho do item anterior, o Google Search Console fornece um redirecionamento para uma página que pode lhe ensinar a criar um site do zero.

No modelo atual a Academia de Webmaster foi substituída pelo ‘Guia de início rápido da otimização de mecanismos de pesquisa’.

Eu diria que este é um guia completo, feito pelo Google, para que você crie um conteúdo otimizado para o buscador. Mas, como ele foi desenvolvido pelo próprio é possível que nem todas as dicas sejam passadas.

Por isso eu sempre aconselho as empresas com as quais trabalho que criem conteúdos de alto valor, essa é a melhor dica para otimizar seu site para todos os buscadores e usuários.

As duas próximas ferramentas são muito conhecidas por todos dentro do Marketing Digital.

  • Google AdWords

Se você me acompanha há algum tempo já leu posts sobre o Google AdWords, essa é uma ferramenta de anúncios do Google. Para saber mais sobre esse tema acesse o meu post AdWords: O Que é, Como Funciona e Como Utilizar o Google AdWords.

  • Google Analytics

Falei bastante sobre o Analytics neste artigo, ele é uma ferramenta do próprio Google para gerenciar e otimizar seu site. Para saber mais acesse Como Entender o Comportamento do Usuário Usando o Google Analytics.

Ferramenta de Teste de Dados Estruturados

Ferramenta que sinaliza ao administrador se a URL ou o código-fonte estão sendo lidos de forma correta pelo Google.

Assistente de Marcação de Dados Estruturados

Falei sobre este termo durante o artigo, mas de forma resumida essa é uma ferramenta avançada para marcação de dados estruturados.

Email Markup Tester

Essa ferramenta testa e valida dados estruturados para emails em HTML.

Google Places

Este e os próximos termos não são exclusivos do Google Search Console, na verdade são ferramentas de Marketing Digital que podem lhe auxiliar no uso e na otimização de resultados usando o Search Console.

Google Places é um produto, desenvolvido, é claro, pelo Google, que tem como objetivo permitir que os usuários criem listas de empresas no Google Maps. Como a ideia do Google é sempre otimizar experiências, você pode gerenciar essas listas para que isso ocorra.

De forma gratuita, o usuário pode inserir e atualizar informações de localização e contato da sua empresa para que os clientes em potencial tenham acesso a isso ao procurarem no Google Maps.

O bônus é que você pode inserir listas de empresas que também apareçam no buscador e no Google Earth. Basta que as pessoas busquem pelo nome da empresa, categoria ou até mesmo localização.

Google Merchant Center

Essa ferramenta criada pelo Google permite que seus usuários façam o upload de informações e dados a respeito da sua loja e também dos seus produtos.

O cadastramento é muito simples e você estará apto a aparecer no Google, em anúncios na aba Shopping e muitos outros serviços correlacionados do buscador.

Para se cadastrar basta possuir uma conta do Google, a mais utilizada pelos usuários é o próprio Gmail. Faça o login com o usuário e senha no site do Merchant Center, configure sua conta e selecione o local desejado.

Agora é só ler e concordar com os termos de serviço e pronto! Muito simples, não?

PageSpeed Insights

Como mencionei anteriormente, o PageSpeed Insights é um dos subitens da aba ‘Outros recursos’ e fornece informações importantes sobre a velocidade das suas páginas. Essa ferramenta tem como objetivo lhe auxiliar na analise do seu website.

Como grande parte das ferramentas do Google, ela também é gratuita e analisa informações como:

  • Programação
  • Estrutura do site
  • Conteúdo
  • Desempenho
  • Velocidade do carregamento
  • E muitas outras

Como o foco deste artigo é mostrar táticas e ferramentas de otimização, o PageSpeed Insights pode ser mais um item agregador. Afinal, você notou que o Google costuma desconsiderar sites demorados?

Portanto, analisar quais são os itens que comprometem o carregamento ágil das suas imagens, conteúdo e vídeos é benéfico para a sua empresa, para os buscadores e, com certeza, para os usuários.

Você percebe que otimizar o seu site isso gera um ciclo de benefícios?

Ao produzir um bom conteúdo, com valor, ágil e sem contratempos isso faz com que o Google consiga rastrear e indexar corretamente seu site. Dessa forma ele aparecerá nos resultados de busca, seus clientes em potencial podem clicar e ter uma ótima experiência com a sua empresa.

E, consequentemente, o buscador vai perceber que o seu site tem relevância e pode ficar entre as melhores colocações. É um ciclo muito vantajoso para todos, certo?

E como fazer para utilizar essa ferramenta?

Acesse o site PageSpeed Insights, e faça uma pesquisa com a URL que você gostaria de testar no box indicado.

A analise é feita em poucos segundos, e a ferramenta vai informar como é o desempenho desta página no Desktop e na versão Mobile, como na figura abaixo:

Além de fornecer a velocidade e o status de otimização, o PageSpeed Insights sugere alterações que podem melhorar o seu desempenho.

As sugestões mais comuns são:

  • Eliminar JavaScript e CSS de bloqueio de renderização no conteúdo acima da borda
  • Otimizar imagens
  • Priorizar o conteúdo visível
  • Aproveitar cache do navegador

E a cada sugestão a ferramenta sugere como realizar as alterações necessárias.

Pesquisa Personalizada

Ao inserir essa ferramenta no seu website você cria uma busca interna para que os usuários possam localizar produtos, temas ou segmentos que mais lhe interessam.

Você pode escolher adicionar:

Conclusão

Ansioso para construir um site que seja extremamente amigável ao Google e, principalmente, aos usuários?

Se você leu este artigo até o final, com certeza, está preparado para criar um site arrasador!

Através desse conteúdo você conheceu a história do Google Search Console, e como o Google Sitemaps se tornou o Google Webmaster Tools.

E, por fim, a última versão – que ainda está em construção – e você pôde conferir, neste artigo, algumas alterações que estão no ar no Google Search Console Beta.

Como a minha promessa era entregar um Guia Completo sobre o Google Search Console mostrei a você desde as funcionalidades mais gerais até a instalação e configuração de cada aba dentro desta ferramenta de otimização.

E fiz questão de ressaltar que a maior parte dos itens existem são insumos para você analisar e enfim construir uma estratégia de Marketing Digital mais eficiente para o seu website.

Erros de rastreamento, de segurança, velocidade de carregamento muito alta são itens que podem prejudicar muito a indexação e ranqueamento do seu site no Google, mas neste manual você aprendeu como localizar e contornar todos esses erros.

Tenho certeza que você deve estar pensando: Mas é muita informação, como vou memorizar todos esses itens?

Sim, o Google Search Console tem uma infinidade de funções, métricas, estatísticas e relatórios e nem todos eles são intuitivos.

Pensando nisso criei um glossário com os termos principais deste nicho para que você possa salvar e arquivar no seu computador.

E se você já configurou o seu site nesta ferramenta, fez a integração com o Google Analytics e já está recebendo os primeiros relatórios me conte sobre seus resultados e quais dicas estão lhe ajudando a otimizar o seu website para o Google.

Ficou com alguma dúvida relacionada ao Google Search Console? Deixe nos comentários para que eu possa lhe ajudar.

Obrigada por ler até aqui!

Fonte: https://neilpatel.com/br/blog/google-search-console-guia/

Comentários

comentários