(32) 3061-1694

Eis o motivo principal pelo qual as empresas morrem: não saber o que é modelo de negócio e qual o mais viável para a sua empresa.

Pode parecer um mero detalhe no planejamento estratégico, mas a verdade é que esse fator é crucial.

Ele é um dos fatores determinantes para o seu negócio ser um sucesso ou um fracasso.

E não, eu não estou exagerando. 

Para você entender o estrago que você pode causar no seu negócio ao não determinar e validar um modelo de negócio antes de colocar as máquinas para rodarem…

Pense em como seria construir uma casa sem antes ter em mãos as plantas dessa construção.

Você simplesmente não saberia os detalhes da fundação, da base, do que sustenta todo o resto. 

Não conseguiria calcular o material necessário para fazer a parada acontecer e acabaria gastando dinheiro de maneira inapropriada.

Tirando que, caso algo desse errado no decorrer da obra, você até poderia dar um jeitinho, fazer uns remendos aqui e ali… Mas a probabilidade de dar errado seriam muito mais altas.

As chances são que essa casa poderia desabar a qualquer momento. 

É assim que funciona abrir uma empresa sem um modelo de negócio viável e bem planejado.

E é por isso que eu digo que errar nessa etapa do planejamento pode significar a morte do seu negócio.

Para garantir que você não corra esse risco aí no seu empreendimento, eu sugiro que você fique comigo até o final deste artigo.

Porque nas próximas linhas eu vou te falar o que é modelo de negócio, para que serve, como fazer e ainda te mostro os 10 principais tipos usados atualmente.

Vem comigo!

O que é modelo de negócio?

O que é modelo de negócio?

Modelo de negócio (também conhecido como modelo Canvas) é uma ferramenta importante dentro do planejamento estratégico de uma empresa que tem como objetivo torná-la bem sucedida, desde a sua criação.

É como a sua empresa decide criar seu produto ou serviço e distribuí-lo para gerar lucro no final do mês.

Basicamente, é a maneira que o seu negócio decide ganhar dinheiro.

O modelo de negócio faz parte da etapa de planejamento estratégico porque é justamente nesse momento que você pensa no que vai vender, como vai oferecer e entregar seu produto ou serviço, para quem e, principalmente, de que forma vai receber por isso.

Quem criou esse conceito e essa ferramenta foi o suíço Alex Osterwalder, e o que ele queria era facilitar o entendimento de como um negócio funciona, do início ao fim.

Por isso, o Canvas descreve todos os elementos e fases de um negócio, sendo que os principais componentes são:

  • segmento de clientes
  • proposta de valor, 
  • canais de distribuição, 
  • relacionamento com clientes, 
  • fontes de receita, 
  • recursos principais, 
  • atividades chave, 
  • principais parcerias 
  • custos.

Com todos esses pontos bem delimitados dentro do esquema proposto, as chances são que o empreendedor tenha uma visão mais clara e objetiva de como está desenhado o seu negócio e como essas fases se integram.

Para que serve o modelo de negócio?

Para que serve o modelo de negócio?

Antes de qualquer coisa, o modelo de negócio de uma empresa serve para dar clareza ao empreendedor, principalmente aquele que é iniciante nessa jornada.

Além disso, com os principais elementos de uma empresa bem estabelecidos, claros e objetivos, é possível:

Tudo isso permite que possíveis ajustes dentro da empresa sejam feitos com maior precisão e que o próprio modelo de negócio passe por um processo de constante validação.

E aí, meu amigo, as chances de sucesso do negócio aumentam consideravelmente. 

Qual a diferença entre modelo e plano de negócios?

Qual a diferença entre modelo e plano de negócios?

Eu já vou te mostrar como fazer o modelo de negócio aí da sua empresa. Mas, antes, eu preciso falar aqui sobre a diferença entre modelo e plano de negócios.

É importante que isso esteja claro para você antes de continuarmos.

Pois bem.

As duas ferramentas estão na fase de planejamento de um negócio e são muito poderosas para fazer a parada acontecer.

Só que elas acontecem em momentos diferentes. 

O modelo de negócios é o que vem primeiro, pois essa é a fase da criação. 

Aqui, você tem diferentes possibilidades, pode tentar e errar várias vezes, validar suas ideias… Tudo isso antes de formalizar a sua empresa.

A formalização é justamente quando o plano de negócios entra em ação. Ele é o mapa que traça os próximos passos.

Você precisa ter o plano de negócios em mãos na hora de conseguir investimentos e parceiros, por exemplo.

Enquanto o modelo de negócios é uma etapa mais abstrata, o plano de negócios é um documento mais formal, onde as ideias já concebidas são registradas.

Como fazer um modelo de negócio?

Como fazer um modelo de negócio?

Ao criar a ferramenta Canvas e todo o conceito de modelo de negócio, Alex Osterwalder já deixou estruturado a maneira mais simples, prática e direta de classificar os principais elementos dentro de uma empresa.

E, no seu livro “Inovação em modelos de negócios”, ele deu a letra de como colocar isso em prática.

Funciona assim: em uma tela ou quadro com blocos organizados, você distribui os principais pontos da sua empresa em apenas uma tela.

(Inclusive, o termo “canvas” significa “tela”, em português). 

O objetivo dessa ferramenta é tornar as informações claras e facilitar na hora de tirar as ideias do papel, além de aumentar suas chances de ter bons resultados.

Nesses blocos, são 9 coisas que você precisa determinar sobre o seu negócio:

1. Segmento de clientes

Para quem você pretende vender? 

Aqui você divide e organiza os seus clientes de acordo com característicasnecessidades e os seus mais diversos perfis.

2. Oferta de valor

O que você oferece que se destaca no mercado?

Estabeleça o seu diferencial, oferecendo algo único para os clientes que você definiu anteriormente.

3. Canais de distribuição

Como você vai fazer para que o seu produto ou serviço chegue até o cliente?

Nesse ponto, você deve levar em consideração tanto os canais de distribuição quanto os canais de comunicação

Pois é aqui que você vai avaliar as suas ações de marketing e também a logística do seu negócio.

4. Relacionamento com o cliente

Como você irá se comunicar com seu cliente?

Determine a forma com a qual sua empresa irá interagir com o público. Estabeleça os meios e a linguagem de acordo com o que mais se aproxima da sua persona.

5. Fontes de receita

Como você vai cobrar pelo produto ou serviço oferecido?

Descreva de que forma o seu negócio vai gerar renda, como o dinheiro vai entrar.

6. Recursos-chave

Quais recursos serão necessários e primordiais para o seu negócio?

Leve em consideração aqui os recursos físicos, intelectuais e humanos que sua empresa precisa para funcionar ativamente.

Pense no tamanho da equipe e na qualificação dos seus colaboradores, por exemplo.

7. Atividades-chave

O que precisa ser feito para que sua empresa não pare?

Atividades externas e internas podem impactar o sucesso do seu negócio. Pense com cuidado em cada uma delas e deixe detalhado nesta etapa do processo.

8. Parcerias

Que empresas ou pessoas parceiras podem ajudar a oferecer o melhor para o seu cliente?

Qualquer grupo, organização, influenciadores digitais ou mesmo outras empresas que possam facilitar a entrega do melhor resultado possível ao seu público deve ser destacado aqui.

9. Estrutura de custos

O que você precisará gastar durante todo o processo de vendas?

Os custos são um “mal necessário”. Nada é de graça nessa vida, nem mesmo o sucesso da sua empresa.

Por isso, estabeleça quais serão suas principais fontes de custos para que tudo funcione perfeitamente.

Na hora de estruturar o seu modelo Canvas, lembre-se que a inovação pode ser a chave do seu sucesso. 

Mas, antes de tudo, você precisa pensar no que atende à necessidade do público que você pretende alcançar.

Para te dar ideia de alguns modelos de negócios viáveis, eu separei para você os…

10 principais tipos de modelos de negócios

10 principais tipos de modelos de negócios

Uma vez que você sabe do que se trata um modelo de negócio e como implementar o da sua empresa, hora de dar uma olhada nos 10 principais tipos de modelo de negócio usados atualmente.

Quem sabe assim você não se inspira para criar o seu próprio modelo de negócio ou mesmo atualizar o já existente? 

Alguns desta lista são modelos tradicionais, mas também inclui outros mais modernos, que vêm crescendo e se provando um sucesso com o passar do tempo.

Anota aí:

#1. Assinatura   

O modelo de assinatura é ótimo para aqueles empreendedores que se interessam por renda recorrente. 

Aqui, o cliente paga uma mensalidade em troca do produto ou serviço oferecido durante este período.

Para evitar que o usuário desista do que comprou e cancele a assinatura, a empresa precisa investir constantemente na entrega de qualidade.

Já para atrair mais clientes para o negócio, algumas estratégias consistem em oferecer descontos pontuais…

Ou até mesmo um período de assinatura de graça. É isso, por exemplo, que a Netflix faz, ao oferecer 30 dias gratuitos.

Ela oferece um pedacinho do queijo, para que o público prove e veja que vale a pena investir o valor.

Outros exemplos desse modelo de negócio são: Sky, Vivo, revistas Veja e Exame, e Clube Wine.

#2. Franquia   

Sabe aquelas lojas que, onde quer que você vá, sempre tem uma por lá? 

Pois é. Quando quiser lembrar de franquias, pense no McDonald’s. Hahaha

Nesse modelo, existem dois personagens principais.

Ofranqueador, que é o detentor da marca e utiliza o sistema para expandir seus negócios. Ele é o responsável por oferecer treinamento para as novas lojas.

E ofranqueado, que adquire o direito de uso da marca e começa a lucrar com o negócio que já foi consolidado pelo outro, anteriormente.

Este recebe orientações do dono da franquia a respeito da instalação da nova unidade e dos padrões que precisa manter na loja em questão.

Exemplos: O Boticário, Chilli Beans, Subway e Havaianas.

#3. Freemium   

Esse modelo é uma variação um pouco mais moderna do modelo de assinatura. 

O diferencial é que, nesse caso, um mesmo produto ou serviço têm duas versões: a gratuita (free) e a premium.

A versão gratuita, apesar de atrair um número maior de clientes, oferece funcionalidades mais limitadas. 

Para ter acesso a ferramenta de modo mais completo, o usuário precisa contratar o plano premium.

Exemplos: Spotify, Dropbox e Evernote.

#4. Isca e anzol   

A grande sacada do modelo “isca e anzol” é oferecer um produto por um valor acessível que dependa da venda de um segundo produto, que costuma ser de menor duração e que ofereça uma margem de lucro maior.

Tipo aquelas máquinas de café que só funcionam com cápsulas de modelo específico.

Nesse caso, a empresa não precisa nem cobrar caro na máquina em si, mas pode voltar sua margem de lucro para a venda das benditas cápsulas.

Exemplos de modelo isca e anzol: Nespresso e Gillette. 

#5. Marketplace  

Marketplace é um site de comércio eletrônico que reúne produtos da loja que o hospeda, bem como mercadorias de lojas parceiras.

Funciona como uma plataforma que reúne diferentes lojistas.

E o “aluguel” desse espaço é pago por meio de uma porcentagem das vendas feitas por lá.

Para saber mais sobre esse modelo de negócio, eu sugiro que você leia esse artigo aqui, do blog do KP. 

Exemplos de market place: Lojas Americanas, Walmart, NetShoes, Mercado Livre e Workana.

#6. Infoprodutos

Infoproduto é um produto digital que pode ser distribuído de graça ou vendido. Ele pode ser consultado online ou mesmo baixado pelo usuário.

Além disso, podem ser produzidos em diversos formatos: áudiovídeotexto ou imagem.

Aqui entram os cursosebookswhitepaperswebinários, entre outros tipos de infoprodutos.

Uma das maiores vantagens dos infoprodutos é a escalabilidade. Ou seja, você vai poder aumentar as suas vendas infinitamente, sem se preocupar com produção, armazenamento e distribuição.

Se quiser saber mais sobre esse modelo de negócio, é só dar uma olhada no artigo Como vender infoprodutos: 7 ideias para alcançar até os clientes mais difíceis

Mas, de cara, eu já te dou uma dica:

Além de vender, você pode utilizar os infoprodutos no seu negócio de outra maneira.

Como, por exemplo, disponibilizar um material rico gratuitamente a fim de atrair leads e potenciais clientes para o seu negócio.

Ofereça esse infoproduto na sua página para a sua audiência, em troca de alguma forma de contato (preferencialmente o email).

Assim, você pode promover abordagens mais direcionadas, educá-lo e nutri-lo até que ele esteja pronto para se tornar um cliente de fato.

O ideal é que você faça isso através de uma landing page de alta conversão. E, para isso, você pode contar com a ajuda do Klickpages.

É simples criar a sua landing page personalizada, olha só:

  • Escolha seu modelo: veja opções de alta conversão comprovada através de testes.
  • Customize a página: edite os textos, as cores e as imagens, além de ocultar elementos que pouco agregam.
  • Publique: por fim, é só publicar no seu próprio domínio, sem custos adicionais de hospedagem.

Exemplo: Fórmula de Lançamento. 

#7. Marketing de afiliados

Sabe quando aquele influenciador digital que você segue faz uma publicação citando alguma marca, testando produtos ou indicando serviços que eles testaram e aprovaram?

Pois é.

Isso é marketing de afiliados.

É uma espécie de venda por indicação.

Ele tem como objetivo ampliar os canais de comunicação de uma marca com o consumidor.

E tem empresas que vivem disso: oferecer o espaço necessário para unir vendedores e produtores de conteúdos que trabalhem em parceria.

Quer saber mais sobre como ganhar dinheiro com esse modelo? Então confere lá o artigo Marketing de Afiliados: se combinar direitinho, todo mundo ganha

Exemplo: Hotmart.

#8. Economia colaborativa   

O modelo de economia colaborativa vem crescendo bastante nos últimos anos. 

Aqui, as empresas unem pessoas com diferentes interesses econômicos.

O Uber, por exemplo, consegue unir a necessidade de uma pessoa que tem carro e pode usá-lo para ganhar dinheiro com o desejo do passageiro que quer se locomover com comodidade, segurança, rapidez e ainda pagar menos.

É o famoso “unir o útil ao agradável”. 

Outro exemplo de economia colaborativa: Airbnb.

#9. B2B – Business to Business

O esquema do B2B (business to business) é bem simples de entender: são empresas que oferecem produtos ou prestam serviços para outras empresas.

O blog do KP também já escreveu sobre isso, caso você queira saber com mais detalhes como funciona. 

Só acessar esse artigo: O que é Marketing B2B e estratégias de marketing para sua empresa

Exemplos: Xerpa e Zendesk.

#10. SaaS – Software as a Service

O modelo de negócio SaaS (Software as a Service) consiste em empresas cobram uma taxa fixa para o uso de um determinado software.

Esse é bem famoso entre as startups.

Exemplo: SemRush.

Pronto! Com esses 10 tipos de modelo de negócio que eu te mostrei aqui, já dá para ter uma ideia do que é possível fazer aí na sua empresa.

Mas lembre-se de aplicar aquilo que te expliquei lá em cima e montar o seu próprio quadro. Afinal, cada negócio é um negócio e você pode (e deve!) trazer o seu diferencial para o mercado.

Teste e valide o seu próprio modelo, e mãos à obra! 

Conclusão

Neste artigo você descobriu que um modelo de negócio inviável é o principal motivo pelo qual as empresas morrem.

Você viu que quem criou esse conceito e essa ferramenta foi o suíço Alex Osterwalder, e o que ele queria com isso era facilitar o entendimento de como um negócio funciona, do início ao fim.

Para dar clareza ao empreendedor e aumentar as chances de um negócio ser bem sucedido desde a sua criação.

Eu te mostrei a diferença entre modelo e plano de negócio: enquanto o primeiro é uma etapa mais abstrata e aberta à criação, o segundo é um documento mais formal, onde essas ideias são registradas.

E ainda dei a letra de como fazer o seu próprio modelo de negócio.

Para finalizar, você viu os 10 principais tipos de modelo usados atualmente pelas grandes empresas, como o modelo de assinatura, as franquias e as empresas B2B.

E aí? Você já sabia quão poderoso o modelo de negócio é para o sucesso de uma empresa?

Me conta aqui nos comentários!

Abraços. =)

Fonte: https://klickpages.com.br/blog/o-que-e-modelo-de-negocio/

Comentários

comentários

Share This