(32) 3061-1694

Quantos tipos de marketing existem?

Eu também tenho essa dúvida – e é compreensível que seja assim.

Porque as formas de fazer marketing mudam ao longo dos anos, seja se adaptando às novas tecnologias disponíveis ou a partir de perspectivas até então inéditas sobre o que o público deseja.

Veja o marketing de afiliados, por exemplo.

Você pode encontrar características semelhantes ao modelo em exemplos do passado, mas nada se compara com o movimento que acompanha o recente boom dos infoprodutos.

Hoje, não faltam blogs para vender conteúdo de terceiros, como cursos e livros digitais – que contribuem para um faturamento anual estimado em R$ 1 bilhão só no Brasil.

E esse é só um exemplo.

Posso citar também o video marketing, um nicho cercado de grande expectativa a partir das previsões de que o conteúdo em vídeo vai dominar 80% de tudo o que se vê na internet em breve.

Vale dizer ainda que, entre os principais tipos de marketing, não estão apenas estratégias digitais.

Para muitas marcas, inclusive, as ações no meio offline seguem trazendo resultados, seja em vendas, divulgação ou reforço de autoridade.

No fim das contas, só há uma certeza: existe um tipo de marketing certo para a sua empresa.

Se você quer descobrir qual é, não deixe de ler até o final.

Vou apresentar 15 tipos de estratégias de marketing, suas características, vantagens e pontos de atenção para colocar em prática.

Siga a leitura!

Índice de Conteúdo:

  1. Marketing Digital
  2. Marketing Tradicional
  3. Marketing Direto
  4. Marketing de Relacionamento
  5. Marketing de Guerrilha
  6. Marketing Verde
  7. Marketing Institucional
  8. Marketing Social
  9. Marketing de Conteúdo
  10. Inbound Marketing
  11. Outbound Marketing
  12. Marketing Viral
  13. Mobile Marketing
  14. Video Marketing
  15. Marketing de Afiliados

1. Marketing Digital

Entre todos os tipos de marketing, este é o mais famoso – e também o mais abrangente.

Porque todas as ações de marketing realizadas de forma online se enquadram nele.

No centro da história está a internet.

Então, o marketing digital está no Google, no Facebook e outras redes sociais, em aplicativos para smartphones e até no SMS, as mensagens de texto no celular.

marketing digital

Tanto é assim que ele pode ser dividido em vários outros nichos, como é o caso do marketing de conteúdo.

Assim, não é surpresa para ninguém que as empresas reservem 75% dos investimentos em marketing para a estratégia digital pelos próximos cinco anos.

Dica de ouro no marketing digital

A dica para se dar bem no marketing digital é a definição de personas.

Está certo que isso se aplica a todos os tipos de marketing, mas no ambiente online temos aí um aspecto ainda mais sensível.

Porque conhecer sua persona significa saber não apenas o que ela gosta e o que ela deseja, mas onde ela está para receber a sua mensagem.

Você pode dizer: “Meu cliente adora redes sociais”.

E eu pergunto: “Quais?”.

Afinal, de que adianta investir pesado no Facebook se a sua persona gosta mesmo é do LinkedIn (e você sequer sabe disso)?

2. Marketing Tradicional

As pessoas se acostumaram a chamar o marketing tradicional de marketing offline.

Não discordo totalmente disso, mas é importante saber que algumas de suas ideias funcionam bem no ambiente online também.

Por tradicional, podemos entender as ações de marketing que buscam fixar uma marca na mente do consumidor e, a partir daí, ser uma escolha lógica quando uma necessidade de compra surgir.

outdoor marketing tradicional

No meio offline, isso pode acontecer a partir da publicidade em rádio, tv, outdoors, revista e jornal, mas também com ações pontuais, como organização de eventos, distribuição de brindes e estratégias de telemarketing.

Voltarei a falar sobre isso mais à frente, no tópico outbound marketing.

Dica de ouro no marketing tradicional

O sucesso no marketing tradicional depende, entre outras coisas, de um orçamento bem planejado.

Acontece que ações offline podem ser bem caras.

Tome como exemplo um comercial na televisão.

Mas a dica que quero passar é que, não importa o tamanho do seu orçamento, é fundamental usá-lo com sabedoria.

Uma propaganda bonita em um outdoor pode parecer atrativa à primeira vista, mas será que seu público passa pelo local onde você vai exibi-la?

3. Marketing Direto

Uma boa maneira de entender o marketing direto é a partir de uma comparação.

Quando você faz um artigo no blog da empresa, por exemplo, direciona sua mensagem a um grupo indeterminado de pessoas.

Já ao disparar um e-mail marketing, enviar um SMS, fazer uma ligação via telemarketing ou entregar um catálogo para venda direta, você aborda um cliente específico.

Na prática, em todos esses canais, a mensagem é enviada diretamente para ele.

marketing direto

É disso que se trata o marketing direto: uma comunicação um para um, sem intermediários.

Você pode argumentar que o e-mail é enviado para uma base de contatos, com uma mensagem padrão. E é verdade.

Ainda assim, ela é individualizada, chama o cliente pelo nome e passa a ele uma sensação de exclusividade.

Uma característica marcante desse tipo de marketing, então, é a comunicação com alguém que já demonstrou interesse com a marca em algum momento.

Por isso, você tem o contato dessa pessoa, o que faz dela um lead.

Dica de ouro no marketing direto

Como estamos falando de um público que já conhece a sua marca e o que ela oferece, aproveite o contato para estabelecer uma chamada à ação.

É o famoso CTA, sigla para Call to Action.

Significa ter uma oferta clara e instigar o usuário a aceitá-la.

Por exemplo, um e-mail com uma promoção exclusiva por tempo determinado pode funcionar bem, fisgando o cliente com os gatilhos mentais de escassez e de urgência.

4. Marketing de Relacionamento

O marketing de relacionamento já entrega a sua proposta no nome.

A ideia é que a marca efetivamente se relacione com o seu cliente.

E para esse vínculo dar frutos, há ações cuidadosamente planejadas para antes, durante e depois da venda.

marketing de relacionamento

Não se trata de uma só venda, aliás.

Os esforços são conduzidos para garantir que o cliente volte a negociar quando uma nova necessidade surgir e faça da marca a sua primeira opção.

Além disso, é esperado que ele atue como um promotor da empresa, fazendo uma indicação positiva dela e de suas soluções a amigos, colegas e familiares.

Como em qualquer relacionamento, para dar certo, é preciso investir em ações que deixem clara a sua intenção de estabelecer confiança e criar uma conexão duradoura.

Dica de ouro no marketing de relacionamento

A estratégia só funciona se o cliente estiver satisfeito.

Assim, além de promover pesquisas e estabelecer métricas para acompanhar o seu índice de satisfação, é imprescindível trabalhar em prol dela.

Isso significa personalizar o contato com o cliente, entregar o que promete, ser atencioso no pós-venda, criar programas de fidelidade e abrir canais para receber feedbacks.

5. Marketing de Guerrilha

O nome guerrilha pode soar estranho, mas ele é utilizado principalmente para deixar claro que, nesse tipo de marketing, a ação tem um alvo específico.

É quando uma marca “entra em guerra” com outra, promovendo uma campanha criativa para se posicionar diante do público como a melhor opção.

E vale reforçar o diferencial da criatividade justamente porque, sem ela, a ação corre sério risco de passar uma imagem errada.

Afinal, você quer cutucar o principal rival no mercado e não se posicionar de forma arrogante.

Tudo isso fica mais claro com exemplos.

A rede de fast food Burger King costuma “atacar” o McDonald’s no Dia das Bruxas – fez isso de diferentes formas em 2016, em 2017 e em 2018.

Em todos os casos, foram iniciativas bastante ousadas e criativas.

Dica de ouro no marketing de guerrilha

No marketing de guerrilha, a dica de sucesso é bastante óbvia: cuidado, muito cuidado.

Uma ação bem planejada e executada pode gerar resultados excepcionais e se tornar viral rapidamente.

Mas cada detalhe precisa ser pensado, avaliando que sensações você vai despertar.

Se errar, em vez de descontração, pode estimular o público a ter sentimentos ruins sobre a marca.

6. Marketing Verde

Sustentabilidade e educação ambiental são temas em alta.

Assim, a exigência de contrapartida das empresas para um mundo melhor cresce conforme aumenta a preocupação com o impacto de suas soluções.

Quando uma marca possui produtos e serviços que beneficiam o meio ambiente (ou pelo menos não sejam nocivos a ele), é justo que essa mensagem seja levada ao público.

É disso que se trata o marketing verde (ou ecomarketing): vender uma imagem de consciência ambiental.

marketing verde

Dica de ouro no marketing verde

O seu ponto de atenção aqui é mais com as práticas do dia a dia do que com as ações de marketing em si.

Ou seja, de nada adianta divulgar uma postura de empresa amiga do meio ambiente se isso não acontece de verdade.

Com tanta gente produzindo conteúdo na internet, sempre tem alguém de olho nas marcas que se dizem ecológicas, mas não são.

7. Marketing Institucional

marketing institucional

O marketing institucional tem o objetivo de divulgar uma marca e fortalecer a sua imagem junto ao público.

Suas ações não se direcionam à venda de produtos e serviços, portanto.

Mais do que uma campanha específica, ele usa diferentes tipos de marketing para se posicionar no mercado e ser uma lembrança viva na mente de seus clientes.

Você certamente vê comerciais da Coca-Cola em plataformas diversas.

Essa gigante investe pesado em marketing justamente para manter a sua marca no topo.

Como o seu mercado é bastante concorrido, deixar de se fazer presente pode significar perda de prestígio e de faturamento.

Dica de ouro no marketing institucional

Qual é a proposta de valor da sua empresa? O que caracteriza a sua personalidade como marca?

Essa reflexão é necessária, pois são elementos que precisam aparecer nas ações de marketing institucional.

Pense na identidade como um todo, no aspecto visual (cores, tipografia e logomarca) e na mensagem que deseja transmitir (incluindo aí o slogan).

Isso tudo deve estar presente em cada comunicação, seja um simples e-mail ou um comercial na tv.

8. Marketing Social

Se o marketing institucional “vende” a força da marca, o social promove uma causa e relaciona a empresa com ela.

Suas ações focam em um problema existente na sociedade e posicionam a marca como um agente para a sua solução.

Programas de tv, como o Criança Esperança e o Teleton, são exemplos de marketing social.

Comerciais de O Boticário, que focam na diversidade e enfatizam o respeito às diferenças, também.

Dá para citar ainda o McDonalds e o seu McDia Feliz, evento que reverte parte das receitas para o tratamento do câncer infantil.

marketing social

Dica de ouro no marketing social

A dica mais valiosa para ter bons resultados no marketing social é semelhante à do marketing verde: você precisa ser verdadeiro e autêntico.

Encontre uma causa relevante para a sociedade e com a qual a sua empresa acredita que pode ajudar.

Planeje uma contribuição genuína e garanta que tudo não seja apenas marketing.

Suas ações precisam reforçar seu posicionamento.

9. Marketing de Conteúdo

O marketing de conteúdo é hoje uma das mais poderosas ferramentas para colocar em prática os objetivos de outros tipos de marketing.

Sua proposta é oferecer ao leitor conteúdo de qualidade, focado nas necessidades do público e dando a ele subsídios que podem ser usados em situações diversas.

Por exemplo, na tomada de decisão antes de uma compra ou para reforçar uma proposta ambiental, social ou institucional da empresa.

Artigos de blog, publicações em redes sociais, e-books, webinários e infográficos são alguns dos formatos utilizados.

marketing de conteudo

Dica de ouro no marketing de conteúdo

Vale para o marketing de conteúdo o que vale para o marketing digital: foco total na persona.

Você precisa saber onde o seu potencial cliente está, a que tipo de formato ele costuma recorrer quando busca informações sobre um produto ou serviço e como é a linguagem de texto que melhor funciona com ele.

Todas essas informações serão decisivas para você atingir em cheio às necessidades dele.

Na prática, é o que faz diferença para gerar o engajamento que procura e reforçar a percepção positiva sobre a marca e sobre a autoridade dela no segmento em que atua.

10. Inbound Marketing

Muita gente trata marketing de conteúdo e inbound marketing como sinônimos.

De fato, as propostas são semelhantes: oferecer um conteúdo que encanta o usuário.

Mas a diferença aparece no objetivo: enquanto o marketing de conteúdo é uma ferramenta utilizada em outros tipos de marketing, o inbound foca na venda.

Sua característica principal é a de oferta de conteúdo para conduzir o lead pelo funil de vendas.

funil de vendas

Assim, quando uma escolha tiver que ser feita na jornada do cliente, a ideia é que ele esteja convencido de que a marca é a melhor opção para o que precisa.

Tudo isso de forma sutil e agradável, o que combina com a forma como também é chamado: marketing de atração.

Dica de ouro no inbound marketing

O inbound marketing exige o correto mapeamento da jornada do cliente e a definição precisa das etapas do funil de vendas.

Fazendo essa lição de casa, você identifica que conteúdo oferecer aos leads em cada estágio, inclusive antes de ele se tornar um lead de fato.

11. Outbound Marketing

No inbound, você dá ao público um conteúdo para que ele conclua sozinho que sua marca é a melhor opção.

No outbound, você diz isso a ele.

Aí está uma boa maneira de entender esse tipo de marketing, que é bastante parecido com o tradicional.

Basicamente, você dispara a sua mensagem sem um alvo definido, acreditando que haverá pessoas interessadas na oferta entre aqueles que a receberão.

É o que acontece em uma publicidade em tv, rádio ou jornal, por exemplo.

Também em banners e outdoors.

E ainda em ligações de telemarketing do tipo cold calls, que representam o primeiro contato com o cliente.

cold calls outbound marketing

Em todos os casos, está caracterizado o que se chama de marketing de interrupção: em vez de o usuário ir atrás da informação, ele é “surpreendido” por ela.

Dica de ouro no outbound marketing

Você vai pegar o possível cliente de surpresa.

Então, encare a realidade e faça isso de maneira interessante, atrativa e criativa.

Seja em um comercial ou outdoor, por exemplo, o sucesso passa por demonstrar valor na sua proposta.

Fuja de comunicações genéricas e que sejam percebidas como uma tentativa de vender a todo custo.

12. Marketing Viral

Uma mensagem capaz de se propagar de forma rápida e em grande escala.

Se o contexto é positivo, nenhuma marca recusaria essa oferta, certo?

O marketing viral tem justamente esse objetivo.

Fazendo uso de formatos diversos, mas com grande atenção aos vídeos e às redes sociais, propõe um conteúdo surpreendente e que promova forte engajamento, resultando em inúmeros comentários e compartilhamentos.

É aquela publicação que não sai da boca do povo, como foi o comercial Pôneis Malditos, da Nissan, com sua musiquinha pegajosa, ou essa propaganda do Banco Itaú que traz um bebê às gargalhadas:

Mas o efeito viral pode não ser positivo para a marca, como aconteceu com a empresa que achou uma boa ideia cobrir modelos de lama para fazer um apelo às vítimas da tragédia em Brumadinho (MG).

Dica de ouro no marketing viral

Não busque viralizar a qualquer custo para não ser surpreendido por uma onda negativa.

Faça uma reflexão sobre que tipo de conteúdo a sua persona gosta de compartilhar e obtenha insights a partir dessa análise.

13. Mobile Marketing

mobile marketing

Marketing para dispositivos móveis.

Por que um nicho tão específico se já existe o marketing digital? Não é a mesma coisa?

É o clássico caso que parece, mas não é.

Em primeiro lugar, é preciso considerar que 69% dos brasileiros acessam a internet pelo celular e que 60 milhões de pessoas no país só usam seu smartphone para navegar.

Ou seja, estamos falando de uma parcela significativa com necessidades, hábitos e interesses específicos.

mobile marketing exige das marcas ter sites responsivos, que se adaptam a todos os tipos de telas.

Também inclui na agenda campanhas de anúncios no Google e em redes sociais para exibição exclusiva em celulares.

E tem mais: geomarketing (marketing baseado na localização), marketing por SMS, em aplicativos e jogos são outros formatos a explorar em suas ações.

Dica de ouro no mobile marketing

Você precisa focar na experiência do usuário para que sua mensagem gere satisfação e não repulsa.

Comprar listas de contatos para disparar suas comunicações significa enviar conteúdo não autorizado pelo usuário. É um tiro no pé.

Além de construir naturalmente sua base de leads, lembre-se de priorizar conteúdo leve e objetivo, sem imagens pesadas ou blá, blá, blá desnecessário.

14. Video Marketing

Logo na abertura deste artigo, já dei a dica: o conteúdo em vídeo vai dominar o tráfego na internet de forma absoluta.

Aliás, já domina: em 30 dias, mais vídeos são produzidos na web do que as principais redes de televisão dos Estados Unidos criaram em 30 anos.

E o video marketing existe justamente para tirar proveito dessa oportunidade.

Uma grande vantagem é que o uso do recurso se aplica a diferentes estratégias, objetivos e fases de relacionamento com o cliente.

video marketing

Vale conteúdo gravado, webinários, transmissões ao vivo e muito mais.

De acordo com a revista Forbes, 90% dos clientes dizem que o vídeo ajuda nas decisões de compra e 64% acreditam que assistir a um vídeo aumenta a chance de a compra acontecer.

Dica de ouro no video marketing

Faça do video marketing um esforço recorrente, mas tenha muito cuidado com a banalização.

Já que todos estão produzindo vídeos, você pode se ver obrigado a seguir pelo mesmo caminho e acabar esquecendo do que é necessário para o sucesso: conteúdo relevante, realmente interessante e de alta qualidade.

15. Marketing de Afiliados

marketing de afiliados

Os afiliados são aqueles que possuem um link exclusivo para venda de algum infoproduto.

A partir daí, criam suas próprias formas de divulgação para gerar receitas com as comissões.

Para as empresas que têm seus próprios produtos digitais, investir em uma rede de afiliados é uma excelente estratégia de marketing.

Porque o alcance da sua oferta vai muito além daquele que seria obtido apenas com esforço próprio.

Dica de ouro no marketing de afiliados

A concorrência é grande no mercado de infoprodutos.

Logo, o grande desafio é oferecer algo que desperte o interesse dos influenciadores e possa fomentar uma rede de afiliados.

Em bom português: não lance qualquer produto.

Faça um estudo aprofundado sobre o seu mercado, da mesma forma que planeje a estratégia mais vantajosa para remunerar seus parceiros.

Custo por clique, por impressões, por venda e por ação são possibilidades.

Conclusão

A melhor notícia ao conhecer alguns dos melhores tipos de marketing é que você não precisa escolher só um.

A combinação de vários deles, aliás, pode ser a ideal para qualificar a sua estratégia e promover resultados consistentes.

Mas isso depende do seu esforço agora.

Estude o mercado, conheça seu cliente e seja certeiro em suas ações.

E se o artigo foi importante para o seu planejamento, compartilhe esse conteúdo com outras pessoas.

Fonte: https://neilpatel.com/br/blog/tipos-de-marketing/

Comentários

comentários

Share This